Há muitos jogos Santos e São Paulo que não me saem da cabeça. O primeiro, quando era um garoto de escola primário, eu estava ouvindo no radinho de pilha. O São Paulo saiu ganhando por 2 a 0, mas no fim do primeiro tempo adormeci. Na manhã seguinte, indo pra escola, um colega me avisou que tinha sido 5 a 2 pro Santos, resultado que lhe deu mais um título paulista.

Depois, me lembro da final de 1967, uma superdecisão que o Santos venceu por 2 a 1. Antes, porém, tenho de ser justo: uma das derrotas que mais incomodou os santistas ocorreu, em 1963.

A verdade é que do início de 1958 ao final de 1969, justamente o período áureo do futebol brasileiro, em que os grandes craques jogavam por aqui e a Seleção Nacional praticava o melhor futebol do planeta, o São Paulo não ganhou nenhum título e foi um saco de pancadas do Santos, de quem sofreu goleadas de 6 a 3, 6 a 2, 5 a 1, 5 a 2 e 4 a 1, entre outras.

Nesses longos anos, nos quais os são-paulinos viram o Santos ganhar dezenas de títulos, o único consolo dos tricolores era e ainda é lembrar um jogo do Estadual em 15/08/1963, no Pacaembu, em que o Santos, depois de ter Pelé e Coutinho expulsos pelo histriônico árbitro carioca Armando Marques, promoveu um cai-cai e abandonou a partida quando perdia por 4 a 1. Ainda hoje tricolores saudosos contam essa história de cor: a única que lhes restou dos 12 anos mais preciosos do futebol brasileiro.

Dizem que nesta partida, Pagão, que após longos anos na Vila Belmiro, jogava pelo São Paulo, chorou no vestiário por ter provocado tamanha dor no time que ele amava, o Santos Futebol Clube.

Bem, são apenas dois historiazinhas do clássico. E você, de qual clássico Santos e São Paulo você se recorda com mais emoção? Queremos conhecer sua história.