Com dois a menos, vaca caminhando celeremente para o brejo e Paulo Henrique Ganso resolveu colocar a bola embaixo das asas e garantir o 18º título estadual do Santos, o 15º da era moderna do futebol – que, para todos os efeitos, começa em 1958.

Nada mais justo pelo conjunto da obra. Pelo futebol que mostrou ao longo do campeonato, o Santos tinha de ser campeão.

Hoje o time não mereceu vencer. O Santo André teve uma atuação espetacular no primeiro tempo e fez jus à vantagem de 3 a 2. Mas o Santo André não tem um maestro como Ganso, e hoje – apesar da boa atuação de Neymar, que marcou os dois gols santistas – Paulo Henrique não só foi o grande nome da partida, como mostrou que aos 21 anos tem maturidade suficiente para ir à Copa do Mundo.

Não há hoje um jogador brasileiro com o talento e a personalidade do Paulo Henrique Ganso. E não há um atacante tão perigoso como o Neymar.

Giovanni finalmente é campeão pelo Santos. Dorival Junior não teve um grande dia. Roberto Brum não poderia ter entrado. Ainda bem que Paulo Henrique teve personalidade para não sair. Sem ele seria difícil segurar o Santo André.

Quanto ao árbitro Sálvio Spindola, errou para os dois lados. O Santo André teve um gol erradamente anulado pela assistente; o pênalti em Arouca existiu mas ele fez muita cena; Brum não merecia o vermelho direto, mas no todo o árbitro foi bem e não influiu no resultado da partida.

Para quem torce para os outros grandes de São Paulo e já está falando que a arbitragem estava preparada para o Santos, eu sugiro que nos próximos jogos estes times grandes tenham também dois jogadores expulsos e consigam se segurar.

Bem, mas gostaria de saber sua opinião, querido leitor e leitora. Como você define este título do Santos? E o que espera do time a partir de agora?