Pretensioso por se acharem muito mais do que realmente são. Após ganharem do Santos em seu estádio com uma virada em poucos minutos começaram a falar muita besteira. Esqueceram que não foram eles que venceram o jogo e sim o Santos que perdeu em algumas falhas e em momentos de desatenção. Deram sorte de vir à Vila com uma pequena vantagem.
Pretensioso também foi o seu técnico, Silas, que nunca ganhou nada no futebol a não ser campeonatos de pouca expressão como o catarinense e o gaúcho. A Comparação da Vila Belmiro com o Alfredo Jaconi, com todo respeito ao Juventude, só pode ser feita por alguém que realmente ainda tem muito o que aprender no futebol. Isso sem falar nas declarações do presidente gremista, uma figura caricata que está mais para humorista em final de carreira do Zorra Total do que para dirigente de futebol.

Sem identidade por ainda não terem se conscientizado que não são argentinos, são brasileiros, iguais a todos os outros times brasileiros. Sua torcida não é uma “hincha”, é simplesmente uma torcida, igual a todas as outras torcidas brasileiras. É difícil enfrentá-los, ainda mais no Olímpico, mas não é impossível eliminá-los, e isso não sou eu que estou falando, são os números. Em 57 jogos, temos 28 vitórias contra 17 deles e mais 12 empates. Contra fatos não há argumentos. Somos melhores em toda a história.

Assim sendo só posso chegar a conclusão que o time do Grêmio hoje é digno de pena por viver uma ilusão. Se auto denomina “o imortal” mas contraditoriamente tem como grande jogo um duelo contra o Naútico pela série B, depois de ter sucumbido a série A daquele ano. O imortal nasceu morto.

E para aqueles que ainda continuam falando, aprendam que na Vila os milagres acontecem. Ali os craques são revelados para o mundo, os placares são revertidos e os imortais são enterrados.

Gustavo Kosha, publicitário, sócio e torcedor do Santos Futebol Clube.