Cristiano Ronaldo, boleiro ou modelo?

O time de melhor toque de bola desta Copa não poderia mesmo ser eliminada por uma equipe que se predispôs a jogar na defesa o tempo todo. A Espanha, mesmo com um gol irregular, pois Villa estava impedido, mereceu a vitória diante de um Portugal descaracterizado por este retranqueiro do Carlos Queiroz e com um ídolo que parece jogar com enfado.

Sim, a impressão que se tem ao ver Cristiano Ronaldo jogando pela Seleção Portuguesa é de um astro pop que transcendeu a outro mundo, de luxo e fama, e não tem orgulho de suas origens. Ao contrário, faz um favor de vestir a sagrada “camisola” que já foi de Eusébio, Coluna, Torres, Simões, Zé Augusto e tantos outros jogadores de brio que levaram o país ao terceiro lugar da Copa de 1966.

Está certo que este árbitro – Hector Baldassi, da Argentina –, que tanto prejudica os times brasileiros na Copa Libertadores, parece ter algum trauma com quem fala português. Além do gol irregular que nem ele nem seus auxiliares viram (Ricardo Casas e Hernan Maidana, ambos argentinos), parece ter entrado em campo com a orientação de não marcar nenhuma falta em cima de Cristiano Ronaldo, que sofreu no mínimo três sem que o jogo fosse interrompido.

Mas um time que já foi famoso por sua ofensividade, não pode querer conquistar uma Copa empatando os jogos de 0 a 0 e ganhando nos pênaltis – estratégia, aliás, que parece ser a mesma do Paraguai. Uma pena. Faltou coragem a Portugal, que foi em campo a expressão de seu medíocre e medroso técnico.

Espanha ainda fará grandes jogos

Portugal foi um bom teste para a Espanha, que agora enfrentará outro time que joga igualzinho aos portugueses: todo atrás, à espera de um milagre, que pode vir nos 90 minutos, na prorrogação, ou nos pênaltis. Assim, é natural que ocorra nova vitória espanhola, desta vez contra o bravo Paraguai.

Uma semifinal entre Espanha e o vencedor de Alemanha e Argentina seria de arrepiar. Tenho minhas dúvidas se o jogo mais técnico e criativo dos argentinos superará a disciplina tática recheada também dos bons jogadores que formam a Alemanha.

De qualquer forma, caso passem dos alemães, os argentinos terão outro confronto muito difícil pela frente, pois a Espanha também toca a bola com muito carinho e sabe esperar, sem desespero, o momento do gol (isto, é claro, se der a lógica e a Espanha vencer o Paraguai).

Da chave do Brasil, não vejo favoritismo nas partidas Uruguai x Gana e Brasil x Holanda. Acho que serão, como a maioria dos jogos desta Copa, amarrados, muito concentrados na defesa. Dos quatro times, o futebol mais fluente e harmônico é o da Holanda. Não me surpreenderia se ela eliminasse o time de Dunga. A esperança do Brasil é sua forte defesa e a criatividade de seus atacantes.

Bem, claro que esta é a previsão lógica. Mas se você me perguntar o que eu quero que aconteça, digo que torcerei para semifinais entre Paraguai x Argentina e Brasil x Uruguai. Quem sabe se assim o futebol sul-americano será mais valorizado e poderá até reivindicar mais uma vaga para a Copa do Mundo de 2014

E você, que seleções acha que se classificarão para as semifinais?