A eliminação de Itália e França não foram surpresas para mim. A coisa poderia ter sido pior para os europeus, pois Inglaterra e Alemanha também passaram sufoco para se classificar. A verdade é que, como se previa, um time das Américas deverá ser campeão na África do Sul.

O mais provável é que seja um sul-americano, claro, mas não se pode descartar totalmente o México e nem esquecer que os emergentes Estados Unidos terminaram em primeiro lugar num grupo que tinha Inglaterra e Eslovênia.

Dos seis grupos já definidos, quatro têm como líderes seleções americanas. E as única exceções, o D e o E, vencidos por Alemanha e Holanda, não tinham nenhum representante do novo continente.

Se Brasil e Chile confirmarem as lideranças nos Grupos G e H, teremos todos os representantes sul-americanos em primeiro lugar nos seus grupos: Brasil, Argentina, Uruguai, Paraguai e Chile. Isso, certamente, fará os críticos olharem com mais respeito para o futebol sul-americano e deixarem de babar ovo para o europeu.

Isto, sem contar que Honduras, único time da América Central, ainda nãoe sta matematicamente desclassificada. Se nesta sexta-feira vencer a Suíça e o Chile derrotar a Espanha, o saldo de gols ou o número de gols feitos é que decidirá a vaga entre hondurenhos e espanhóis.

Até agora, dos seis grupos encerrados, as Américas têm cinco das 12 equipes classificadas: duas da América do Norte (Estados Unidos e México) e três da América do Sul (Argentina, Uruguai e Paraguai). A Europa tem qautro (Inglaterra, Alemanha, Holanda e Eslováquia), a África um (Gana) e a Ásia dois (Japão e Coréia do Sul).

Dos grupos ainda abertos, o Brasil já está classificado e o Chile só não continua se perder da Espanha e a Suíça derrotar Honduras por dois gols de diferença. Um empate e os chilenos estarão também nas oitavas e em primeiro no seu grupo.

Fifa terá de mudar a distribuição de vagas

Somando-se os representantes de todas as três Américas, chega-se a oito equipes nesta Copa, contra 13 da Europa, quase 50% a mais. Pelo desempenho dos times neste Mundial, ficou evidente que a divisão acabou não sendo justa. Os resultados dos times americanos até aqui tem sido bem superiores aos de qualquer outro continente e isso certamente será usado pelas federações locais para conseguir mais vagas para a próxima Copa, disputada justamente no Brasil, coração da América.

É evidente que tudo ainda dependerá do desenrolar do Mundial. Porém, se os americanos fizerem a maioria dos quadrifinalistas e semifinalistas, o que é bem provável, e ainda saírem campeões, terão muita força para reivindicar uma representatividade maior em 2014.

E você, acha que as seleções européias são supervalorizadas pela mídia, ou são realmente, no conjunto, as melhores do mundo?