Há jogadores que parecem não ter nascido para astros. Não fazem jogadas mirabolantes, não têm fã-clube, não tatuam o corpo, não pintam o cabelo, não usam chuteiras coloridas e nem ensaiam coreografias depois dos gols. Mas são decisivos. Elano Blumer, paulista de Iracemápolis que ontem completou 29 anos, é assim.

No Santos, marcou os gols decisivos dos títulos brasileiros de 2002 e 2004 (o de empate com o Corinthians e o segundo contra o vasco, respectivamente). Tanto na lateral, como na meia, Elano tem a mesma eficiência. Consegue marcar, tabelar, driblar, tem um ótimo passe e um chute preciso, que nenhuma jabulani ousa enganar (seu gol contra a Coréia do Norte foi como uma tacada de bilhar, seco, em linha reta, provando que para o craque não há bola indomável).

Para Elano, que hoje deu o passe para o primeiro gol e marcou o segundo (após ótima assistência do santista Robinho), a singela homenagem deste blog. A ele e ao artista plástico Paulo Consentino, que tem um ótimo projeto de pintar os maiores craques do Santos para as festividades do Centenário do clube.

Agora curta o gol mais importante de Elano (também com passe do Menino Robinho), na voz de Nilson César…