Enfim o Santos perdeu uma competição este ano. Felizmente a Copa Sul-americana é a competição menos importante da temporada santista, se bem que a única internacional.

Quem acompanha este blog sabe que logo depois da Copa do Brasil, quando ouvi dizer que o Santos passaria alguns dias comemorando o título, escrevi que muita festa seria ruim. Não deu outra. O time voltou estranho contra o Avai, quarta-feira passada, e foi surpreendido em pleno Pacaembu, ao perder por 3 a 1.

Hoje, em Florianópolis, só uma grande surpresa faria o Santos continuar na Copa Sul-americana, que valia só pelo título e pelo prêmio em dinheiro, já que a vaga para a Libertadores já estava garantida.

E a surpresa pareceu possível no primeiro tempo, em que o Santos jogou bem, Zé Eduardo foi um leão e marcou um belo gol. Com sorte o time poderia ter ido para o intervalo com uma vantagem de 2 a 0.

No segundo tempo o Avai marcou em cima, o árbitro marcou alguns perigos de gol, e com tanta marcação Paulo Henrique ganso e Neymar não brilharam como se esperava. Marquinhos também voltou a jogar abaixo do que pode, repetindo a fraca atuação da primeira partida contra seu ex-time. E assim, sem maiores opções ofensivas, o Santos ficou no 1 a 0, insuficiente para seguir em frente na Copa.

Quem jogou bem e quem ficou devendo

A defesa até que se segurou um pouco mais desta vez. Rafael prova a cada jogo que é um goleiro excelente, e Edu Dracena e Durval se entenderam melhor. Dracena chegou a salvar um gol certo no primeiro tempo, dando um pique fantástico para um jogador veterano, a tempo de tirar a bola que já ia entrando no gol.

Pará ficou preso na defesa, com receio de levar bolas nas costas, e apareceu pouco. Parecia tímido, escondido. Léo saiu um pouco mais, porém os anos já começam a pesar para o ídolo.

Arouca e Rodriguinho seguraram bem as coisas pelo meio, apesar da rapidez dos jogadores do Avai. Rodriguinho voltou a fazer uma boa partida, repetindo a atuação contra o Grêmio, na Vila, pela Copa do Brasil.

No ataque, por incrível que pareça, Zé Eduardo foi mais eficiente do que Neymar. Lutou bastante, deslocou-se e foi premiado com um belo gol, após um passe de calcanhar de Marquinhos.

O Santos não merecia vencer por mais de um gol e, portanto, a vaga ficou em boas mãos. Mas ficou a impressão de que a bobeada no Pacaembu custou muito caro. Se jogasse em São Paulo como em Florianópolis, o Alvinegro teria seguido na Copa sem maiores problemas.

De qualquer forma, vencer o Avai em seu campo não é fácil. Tanto assim, que Palmeiras e Corinthians já foram derrotados este ano no mesmo estádio. Que esta eliminação mostre ao Santos que é preciso encarar cada partida com a mesma motivação e entusiasmo. Quanto a Dorival Junior, hoje não há nada a reclamar. Fez o que podia.

Creio que a dor da derrota na Sul-americana fará a equipe ter uma postura diferente no Campeonato Brasileiro. Com ou sem Neymar, o time deverá entrar mais determinado contra o Atlético Mineiro, domingo, às 16 horas, na Vila Belmiro, em jogo que comentarei pela Rádio Globo. Muitos jogadores santistas devem ter aprendido que todo jogo, por menos motivador que possa parecer, faz parte de uma decisão.

E você, o que achou da partida e da atuação dos santistas? Que lições ficaram desta eliminação na Copa Sul-americana?