O futebol tem coisas esquisitas. Quando todo mundo acha que um jogo será fácil, ele se complica. Por isso, não é tão simples analisar as possibilidades de Santos e Goiás, hoje, às 18h30m, no Pacaembu.

Uma vitória e o Santos manterá vivo o sonho da tríplice coroa, podendo saltar para o terceiro lugar do campeonato (e ainda com um jogo por fazer). Mas o Goiás também precisa vencer, pois é o lanterna da competição e com um triunfo poderá até sair da zona de rebaixamento.

Sem Paulo Henrique Ganso, que passou por uma cirurgia de joelho neste sábado e deverá ficar seis meses afastado do time, o Santos só pode chegar, na melhor das hipóteses, a um potencial de 100 pontos. Vejamos como o time se sairá sem o Maestro. Porém, enquanto não deixa claro até que nível alcançará, 100 pontos é um valor fidedigno para o time de Neymar.

Quanto ao Goiás, está em último lugar no campeonato e em crise, já que o técnico Leão acabou de ser demitido. A seu favor o Goiás tem o fato de, historicamente, ser uma asa negra do Santos (já empatou em 4 a 4 um jogo que perdia para o Santos por 4 a 1, no mesmo Pacaembu, nos tempos de Pelé). Mesmo assim, tem alguns jogadores perigosos, como o ex-corintiano Rafael Moura, o He-Man. Com boa vontade, seu potencial vai a 70 pontos.

Diante de sua torcida, o Santos rende mais, enquanto o Goiás tem caído muito quando joga no campo do adversário. Ao contrário de Dorival Junior, que não gosta muito de ver o Santos jogando no Pacaembu, eu acho que é um estádio propício para o Santos, além de proporcionar públicos bem maiores do que na Vila.

Hoje, por exemplo, quantas pessoas iriam à Vila, em uma noite de sábado, ver o time contra o Goiás. Não mais do que 10 mil pessoas. Estou certo de que o público no Pacaembu será bem maior.

Nos elencos, superioridade do Santos

Mesmo sem Ganso, Dorival Junior ainda poderá escalar um time ofensivo, se quiser. Estou certo de que a maioria dos torcedores gostaria de ver um ataque com Zé Eduardo, Keirrison e Neymar. Mas o técnico está propenso a colocar quatro no meio-campo e apenas dois mais à frente.

O requisitado Alan Patrick não deverá começar entre os titulares. Dos novos Meninos, Zezinho é o mais cotado para entrar no time (olho nele, porque acho que vai explodir a qualquer momento). Sem Edu Dracena e Alex Sandro, suspensos, o técnico deverá escalar o Bruno Aguiar e Léo, que devem dar conta do recado.

O mais provável é que Dorival escale o meio-campo com Arouca, Rodriguinho, Marquinhos e Zezinho, deixando apenas Neymar e Zé Eduardo (ou Keirrison) no ataque. Bem, na verdade o técnico tem preferido começar o jogo com o centroavante Marcel, que, inoperante, sempre acaba substituído.

No Goiás, que não ganhou nenhuma partida desde que voltou das férias da Copa, e cujos salários estão atrasados dois meses, os desfalques são o lateral Wendel Santos e o volante Wellington Monteiro, suspensos. O time será dirigido pelo técnico interino Wladimir Araújo.

Como o Santos tem um elenco melhor, joga em casa e vem de três vitórias, é normal que seja considerado o favorito. Mas até onde vai esse favoritismo? Vamos às contas:

Como deve atingir o máximo de seu potencial com esta nova formação, o Santos chegará a 100 pontos. Quanto ao Goiás, mesmo que renda tudo o que pode, não deverá passar dos 70 pontos. Esta diferença, de 30 pontos, é suficiente para uma vitória por um ou dois gols de diferença. Um bom palpite do MCOC é 3 a 1.

E você, o que acha que acontecerá no jogo de hoje? Que time Dorival Junior deveria escalar para enfrentar o Goiás no Pacaembu?