A derrota para o Corinthians deixa o Santos a 12 pontos da liderança e para muitos isso significa que este Brasileiro já não vale mais nada para o Alvinegro Praiano, que deverá usar os 15 jogos que faltam para experiências visando a Copa Libertadores do ano que vem. Eu discordo. Ainda há muito em jogo e o Santos não pode baixar a guarda.

Não pode baixar a guarda porque o risco de perder jogos seguidos e, de uma hora para outra, se ver às portas da zona de rebaixamento é real. Da mesma forma que o Atlético Paranaense passou boa parte do campeonato na chamada zona da degola e ontem assumiu a sexta posição, superando o Santos, times que estão por cima podem cair vertiginosamente. Basta perderem a motivação.

Por outro lado, e isso para mim sempre foi tão importante como títulos, as rivalidades sempre estarão em campo. Vencer um adversário tradicional pode dar tanta alegria como a conquista de um troféu. Grandes partidas ficam para a história, independentemente de como estão as equipes na tábua de classificação.

Este ano o Santos já ganhou quatro vezes do São Paulo. Um tabu foi escrito. Por que não mantê-lo? Por outro lado, porque não acabar com a fama de asa negra do Palmeiras? E ainda há adversários cuja vitória sobre eles sempre traz um gostinho especial, como o “imortal” Grêmio, que neste segundo turno será visitante.

Além disso, uma boa classificação no Brasileiro soma pontos nesses rankings que fazem por aí. Enfim, nunca é bom perder, nem mesmo quando se faz experiências no time. O torcedor vive pela alegria da vitória. Ele sabe que títulos não conquistas sazonais, mas quer o triunfo cada vez que a equipe entra em campo. Afinal, a vitória é o combustível que alimenta sua paixão.

Jogadores têm de pensar na carreira

Por fim, do ponto de vista do jogador, só o bom desempenho em cada partida poderá manter sua carreira em ascensão. E neste Santos há muitos que precisam caprichar, ou acabarão perdendo uma ótima chance de disputar a Libertadores.

Com raras exceções, como Neymar e o goleiro Rafael – observados ontem por enviados do Barcelona –, além de Arouca, a maior parte dos jogadores santistas ainda não se firmou. São escalados por exclusão, mas podem perder o lugar caso não joguem melhor do que andam fazendo.

Danilo e Alex Sandro já fizeram boas partidas, mas não estão conseguindo atingir uma regularidade satisfatória; Marquinhos e Marcel, lentos, não convencem a torcida, que também não gosta da limitação técnica de Maranhão e Rodriguinho e da falta de astúcia de Pará; Léo perdeu reflexos e fôlego; Madson e Zé Eduardo não conseguem passar de bons reservas; Keirrison nunca entra em forma; os zagueiros Edu Dracena e Durval são medianos; o novato Alan Patrick ainda não explodiu…

Enfim, estes jogadores têm de encarar cada jogo como uma chance de se firmar no time e no elenco, ou logo estarão indo embora, pois não dá para pensar em título na Libertadores com profissionais inseguros e irregulares.

E você, que argumentos usaria para motivar o Santos neste Brasileiro?