Do time que jogava com três atacantes, o Santos virou uma equipe com três volantes. O medo de uma nova derrota fez o técnico Dorival Junior povoar o meio-campo e escalar apenas Neymar e Keirrison à frente, no jogo desta noite, às 18h30m, contra o Atlético Goianiense, na Vila Belmiro.

O Alvinegro entrará em campo com Felipe, Pará, Edu Dracena, Bruno Aguiar e Léo; Roberto Brum, Danilo, Marquinhos e Alex Sandro; Neymar e Keirrison.

Como se vê, Dorival preferiu improvisar Alex Sandro no meio do que escalar Alan Patrick, Zé Eduardo ou Madson no setor, o que tornaria o time mais ofensivo. Ele diz que Alex Sandro, rápido, pode fazer este papel. Vejamos.

Aqui entre nós, aposto que se o Santos não estiver vencendo até o início do segundo tempo, Alan Patrick, Madson e Zé Eduardo entrarão na equipe. Mas Dorival tem sido tão imprevisível, que só para me contrariar ele pode colocar o Marcel, Jefferson e Breitner. Não, não falei sério…

Assisti à partida inicial do Campeonato Brasileiro Sub-23, entre Santos e Avaí e confesso que, além de Felipe Anderson, não vi nenhum santista com potencial para um dia ser chamado de craque. Breitner, Serginho, Adriano, Tiago Luís… Ninguém ainda está pronto para ao menos ficar no banco de reservas dos profissionais. O tal do Possebon pode ser bom, um dia, mas por enquanto é mais ou menos.

Está certo que o Sub-23 não teve tempo para treinar, enquanto o Avaí estava se preparando há dois meses para a competição e nesta partida usou quatro jogadores do seu elenco profissional. Mas nem individualmente deu para perceber algo de especial neste Santos.

A não ser, repito, Felipe Anderson, o único que numa jogada poderia definir a partida. Pena que o técnico Marcelo Martellote tenha substituído o rapaz justamente quando ele se apresentava mais para o jogo. Martelotte o tirou para colocar Choco. Uma lástima.

Bem, mas falando do jogo dos profissionais, o Atlético Goianiense, que vem fazendo ótima campanha de recuperação e pode sair da zona de rebaixamento se vencer, terá o mesmo ataque que acabou com o Palmeiras no Pacaembu, e o técnico René Simões promete ir pra cima do Santos com Márcio; Victor Ferraz, Daniel Marques, Jairo e Thiago Feltri; Pituca, Ramalho, Diguinho e Róbston; Elias e Josiel.

Jogo perigoso

O jogo é perigoso não só pela equivalência técnica das duas equipes – com exceção de Neymar, o único craque em campo –, mas também pelo momento delicado que o Santos atravessa. O time vem de duas derrotas, jogando mal, e está a meio caminho entre o líder e a zona de rebaixamento.

O elenco está se mostrando bem limitado e Dorival Junior tem errado continuamente na escalação e nas substituições. Hoje a paciência do torcedor não deverá durar muito. É bom que o time termine o primeiro tempo na frente, ou o clima poderá ficar ruim e se voltar contra os jogadores.

Outro detalhe a se analisar é o público na Vila Belmiro. Os santistas de Santos reclamaram muito de o clube andar jogos no Pacaembu, alegando que a casa do Santos é a Vila Belmiro. Hoje, portanto, se espera que ao menos os 15 mil lugares da Vila estejam tomados, se bem que eu duvide disso.

Por fim, algo que espero não se torne um problema, mas não se pode deixar de lembrar que o árbitro escalado para a partida é o gaúcho Leandro Pedro Vuade, o mesmo que não validou o gol legal de Danilo contra o Flamengo, o que tirou dois preciosos pontos do time quando ele estava no encalço dos líderes. Vuade será auxiliado por Alexandre A. P. Kleiniche e Carlos Henrique Selbach, ambos do Rio Grande do Sul.

Bem, vamos ao jogo que pode ser um divisor de águas: ou empurrar o Santos para a parte de baixo da tabela, ou fortalecê-lo na busca por um título improvável, mas ainda possível. E depois do jogo, volte aqui para dar sua opinião, tá?