Dizem que Neymar cava muitas faltas. E Pelé também cavava. Dizem também que no tempo de Pelé era fácil jogar, porque o futebol era mais lento, mais romântico, havia menos marcação. O jogador habilidoso tinha mais espaço para jogar.

Bem, talvez outros tivessem mais espaço. Pois o campo, para Pelé, era sempre menor do que para os outros, pois nunca estava cercado por menos de três, quatro adversários, que usavam de todos os recursos para pará-lo.

Para se defender, Pelé tentava escapar das faltas, mas às vezes era impossível. Então, ele revidava – e chegou a quebrar a perna de quatro jogadores. Será que é isso que querem que Neymar faça quando dizem que ele também deveria revidar?

No que pretendem transformar o futebol brasileiro? Em uma grande enfermaria de craques, no qual só os rebatedores sanguinários sobreviverão?

Por sorte, mesmo sofrendo contusões graves, Pelé pôde ajudar o Brasil a ganhar três vezes a Copa do Mundo e iniciar a mística que nosso futebol desfruta até hoje. Digo por sorte, pois em um tempo em que a medicina esportiva engatinhava, um rompimento do tendão de Aquiles ou uma contusão no joelho podia acabar com uma carreira, e Pelé sofria faltas duras a cada jogo.

Vários de seus companheiros – como Garrincha, Canhoteiro e Coutinho – ficaram inutilizados para o futebol ainda jovens. Tentaram continuar, arrastando-se em campo, mas não eram mais os mesmos. Deixaram de alegrar os estádios e ajudar a Seleção por problemas causados pela violência de inimigos anônimos e cruéis, que sempre podiam, como agora, desculpar seus atos com o jargão de que futebol é para homem e de que os dribles e as jogadas de efeito os humilhavam.

É isso que a comunidade futebolística brasileira quer para Neymar, Ganso, e outros jovens craques que estão surgindo? Esta questão é de responsabilidade de todos. O futebol brasileiro empobrece a cada temporada, os mais habilidosos, os ídolos, vão-se ainda imberbes, deixando para trás campeonatos áridos, feios, nivelados por baixo.

Agora mesmo, qual é o grande time brasileiro? Qual o que está jogando um futebol de campeão? Nenhum, esta é a verdade. Mas mesmo assim teremos um campeão. Pobre do futebol sem craques, sem arte, sem beleza, sem talento, que tem de engolir campeões por exclusão.

Você acha que os árbitros brasileiros estão contribuindo com a caça ao Neymar, ou o jogador do Santos é que está exagerando?