A imprensa gaúcha chegou a anunciar que o Internacional o tinha contratado; o Cruzeiro também esteve perto de levá-lo para Minas, até o Vasco entrou na disputa, mas o meia-atacante Moisés, de 21 anos, acabou saindo do Paysandu direto para a Vila Belmiro. Mas não foi o Santos que o contratou.

Segundo o jornal O Liberal, de Belém, “80% dos direitos federativos do jogador foram adquiridos por R$ 600 mil por um grupo de investidores encabeçado pelo argentino Gustavo Arribas, parceiro do empresário iraniano Kia Joorabchian. Arribas tem negócios com o clube paulista e atualmente conta com dois jogadores no elenco comandado pelo técnico Dorival Júnior: Zezinho e Alex Sandro”.

Hummm, negócios com um parceiro do iraniano Kia Joorabchian não me cheiram bem. Era mesmo necessário entrar nessa negociata? Se o jogador valia a pena, o clube não poderia ter arcado com esses 600 mil reais? Bem…

Moisés, que foi o artilheiro do Campeonato Paraense, com 13 gols, assinou contrato com o Santos até 31 de julho de 2011. Ele se tornará o terceiro paraense do elenco. Além dele, Paulo Henrique Ganso, que também jogou no Paysandu, e é de Anadindeua, e Pará, de São João do Araguaia, são do mesmo estado.

O Santos não pagou nada para ter Moisés, mas funcionará como uma vitrine para o jogador, que depois de valorizado poderá ser negociado pelo grupo investidor, ou renovar contrato com o Santos. As notícias não dão conta se o Santos ficará com alguma participação no passe do jogador e de quanto ela será. Isso provavelmente será esclarecido pela direção de futebol do clube.

Veja agora alguns lances de Moisés pelo Paysandu, onde foi apelidado de “Salvador”. Dá para se notar que o rapaz é oportunista, faz gols, mas uma observação mais abalizada fica comprometida pela fragilidade dos adversários.

Você acha que este Moisés de Belém pode fazer milagres no Santos, ou é mais fácil o mar da Baixada se abrir?