Se um bandeirinha, em um lance de bola parada, não vê esse impedimento, vai ver o quê? E o Carlos Eugênio Simon também estava exatamente sobre a linha da defesa, se olhasse pra cima poderia ter apontado o impedimento, mas ficou olhando a bola. Sei não, mas começo a acreditar que estamos vivendo o Zveitão II.

Em um jogo bom e equilibrado, em que o Santos esteve duas vezes na frente, o Corinthians venceu por 3 a 2 – favorecido pela não marcação de impedimento de Danilo no lance do terceiro gol – e segue em busca de seu quinto título brasileiro. Mas o destaque foi Neymar, que voltou mais maduro e jogando tão bem como sempre.

Quem apostava que o Menino de Ouro da Vila Belmiro se descontrolaria, perdeu tempo. Novamente ele foi o melhor atacante do jogo, criou boas oportunidades, fez um gol e ainda provocou cartões amarelos em Boquita e Paulo André.

Antes da partida o técnico interino Marcelo Martelote teve uma conserva com Neymar e buscou tranqüilizá-lo. A conversa parece que deu resultado, pois Neymar não se envolveu em nenhuma confusão. Sofreu faltas duras e ficou quieto e não cavou nenhuma infração.

O Santos poderia até ter vencido, pois fez 1 a 0 com Dorval, logo a um minuto de partida. O Corinthians empatou com Iarley, após boa jogada de Jucilei, mas Neymar voltou a colocar o Santos na frente, pegando um rebote de Júlio César após chute de Marcel.

Com 2 a 1 o Santos teve grande oportunidade para ampliar, quando Marcel foi atrapalhado por Danilo na hora de concluir a gol, diante do goleiro. Antes do final do primeiro tempo, porém, Elias aproveitou um contra-ataque e empatou novamente.

Na segunda etapa o Santos estava melhor e perdeu uma chance incrível com Neymar, em novo rebote de Júlio César. A bola ficou pererecando à beira do gol, diante de vários jogadores do Santos, mas não entrou. Neymar chutou para grande defesa de Júlio César e na seqüência a bola bateu na mão de William e os santistas pediram pênalti.

Quanto parecia que o Santos estava mais perto do desempate, em uma jogada ensaiada o Corinthians chegou ao terceiro gol, com Paulo André. Neste lance, porém, Danilo recebeu a bola em impedimento e cruzou para o gol do zagueiro.

Além da derrota, que o afasta muito da liderança do campeonato (agora a 12 pontos do líder), o Santos perdeu dois jogadores por contusão: o zagueiro Bruno Aguia e o meia-atacante Madson, com uma distensão.

Martelote, assim como Dorival Junior vinha fazendo, preferiu começar a partida com o meio-campo formado por Arouca, Alex Sandro, Danilo e Marquinhos. No segundo tempo colocou Alan Patrick no lugar de Alex Sandro e Madson no de Marquinhos, mas o time não melhorou muito.

Resumo

O Santos criou chances e poderia até ter vencido. O resultado mais justo seria o empate, até porque o terceiro gol do Corinthians foi ilegal e ainda foi marcado erradamente um impedimento de Neymar quando ele aparecia livre diante do goleiro. Assim, Carlos Eugênio Simon mais uma vez fez jus à desconfiança dos santistas.

Mas a verdade é que enquanto o Corinthians é um time bem montado, que toca a bola com eficiência e tem um meio-campo harmonioso, o Santos jogou mais na base da garra e da habilidade de Neymar.

Alguns certamente dirão que não adiantou escalar Neymar para o clássico, que seria melhor ter mantido a suspensão que Dorival Junior queria. Eu digo que o jogo mostrou justamente o contrário:

Que Neymar já estava pronto para jogar sério e ter um comportamento exemplar em campo, como aconteceu. Insistir na suspensão seria punir o Santos.

Se Neymar foi a única opção ofensiva do Santos, sem ele o time jogaria acuado em seu campo e correria o risco de uma goleada histórica. A decisão de escalá-lo foi oportuna, apesar do clima ruim.

A derrota deixa o Santos a meio caminho tanto da liderança, como da zona de rebaixamento. O perigo agora é o time, sem motivação para buscar o título, passar a perder seguidamente, o que poderia deixar sua posição bem delicada. O novo técnico, além de renovar o entusiasmo da equipe, terá de começar a prepara-la para a Copa Libertadores de 2011.

E você, o que achou do jogo e o que espera agora do Santos até o final do Campeonato Brasileiro?