Ontem o técnico do Corinthians, Adilson Batista, disse que o Santos já alcançou seu objetivo este ano e que não deverá lutar pelo título brasileiro – conquista que, segundo ele, ficará restrita aos quatro times mais bem classificados: Corinthians, Fluminense, Cruzeiro e Internacional.

Uma rápida olhada na classificação, porém, e se constata que uma vitória hoje, na Vila Belmiro, justamente sobre o o líder da competição, deixará o Santos a apenas seis pontos da liderança. Diferença que pode diminuir na próxima rodada, quando o adversário do Alvinegro Praiano será o Cruzeiro, na Arena Barueri.

Nova vitória sobre o Cruzeiro e o Santos já tomaria a posição deste como o terceiro lugar no Brasileiro, bem próximo de Corinthians e Fluminense. Portanto, não é a pontuação que deve fazer o Santos desistir de brigar pelo título.

O que poderia atrapalhar o time é a falta de motivação, mas ela é inconcebível em jogos como estes contra o rival Corinthians e contra o ótimo Cruzeiro. Motivação que certamente foi incrementada com essa entrevista descabida do técnico corintiano, que parece não acreditar na capacidade dos jogadores que defendem o Santos.

O próprio Adilson lembrou que o São Paulo já ficou 11 pontos atrás do líder e ainda foi campeão. Portanto, não dá para entender que ele considere o Santos descartado da corrida pelo primeiro lugar antes do jogo de hoje. A não ser que já esteja contando com a vitória de seu time na Vila Belmiro.

Na verdade, o jogo de hoje será decisivo. Uma vitória e o Santos manterá o sonho mais vivo do que nunca; uma derrota e realmente as coisas ficarão muito difíceis; e o empate apenas empurrará o drama com a barriga. O árbitro é o gaúcho Carlos Eugênio Simon, cujo nome provoca calafrios nos santistas de boa memória.

Um Santos corajoso é o que a torcida quer

O técnico interino Marcelo Martelote, que dirige a equipe Sub-23, ainda não definiu o time que jogará hoje, mas espero que coloque Alan Patrick ao lado de Neymar, Madson e Zé Eduardo, formando um quarteto bem rápido e insinuante entre o meio-campo e o ataque.

Alan Patrick e Madson atuariam como meias, mas avançariam sempre que o time tivesse a bola. Só Zé Eduardo teria de, volta a meia, ficar na posição de centroavante, segurando dois zagueiros adversários dentro da área. No mais, os quatro santistas citados se deslocariam bastante, para confundir a marcação.

Léo avançaria para fazer a triangulação com Alan Patrick e Neymar pela esquerda; Danilo faria o mesmo pela direita, com Madson e Zé Eduardo, ou mesmo Neymar e Alan Patrick deslocados por ali.

Eu poria dois volantes mais recuados, protegendo a defesa – Arouca e mais um, que pode ser Marquinhos, desde que saia menos para o ataque, ou até mesmo Roberto Brum –, Danilo pela lateral-direita e preferiria o experiente Léo pela esquerda, se bem que Alex Sandro está jogando tão bem ou melhor do que o titular. Escolheria Léo mais pela maturidade que o jogo exige.

No mais, é ir pra cima, com fé, como sempre faz quando joga na Vila Belmiro.

Assista agora ao vídeo em que o ídolo Serginho Chulapa chama a torcida para o jogo de hoje e diz que tem certeza de que o Santos jogará bem e conseguirá um bom resultado.

E você, o que espera do Grande Jogo de logo mais?