Antes que digam que é implicância de santista, pesquisei a esmo (nem é preciso pesquisar muito) três reportagens que mostram erros históricos favoráveis ao Flamengo, que viveu sua fase áurea um pouco por conta de Zico e muito mais devido às arbitragens escandalosas a seu favor.

Como o Sport foi roubado em 1982

Na terceira fase do Campeonato Brasileiro de 1982 o Flamengo jogou o mata-mata com o Sport. Depois de vencer no Maracanã por 2 a 0, o time carioca só seria eliminado se perdesse por dois gols de diferença no Recife. E perdia por 2 a 1 quando sofreu o terceiro gol, legítimo – anulado pelo árbitro Oscar Scolfaro (guarde bem esse nome). A alegação é de que a bola tinha saída antes. Veja que absurdo:

Pobre Grêmio. Era futebol ou basquete?

Grêmio e Flamengo se classificaram para a final do mesmo Brasileiro de 1982. No primeiro jogo da decisão, no Maracanã, houve um empate de 0 a 0. Na partida de volta, no Olímpico, o Flamengo vencia por 1 a 0 quando Andrade tirou com a mão uma bola que entrava no gol carioca, e seria o empate. O árbitro diz que não viu a “cortada” de Andrade. Detalhe: o juiz era o mesmo Oscar Scolfaro que tinha roubado o Sport em Recife.

Quando Wright depenou o Galo sem dó

Por falar em favorecimentos ao Flamengo, vamos ao jogo lendário perpetrado por José Roberto Wright, árbitro reconhecidamente rubro-negro, que na Libertadores de 1981 expulsou cinco jogadores do Atlético Mineiro (foram cinco mesmo e não três, como diz o locutor) e deu a vitória ao time carioca sem que este precisasse marcar um gol. O Flamengo seguiu firme na competição e acabou conquistando o seu único título na Libertadores.