Além de Neymar, que pedala no monociclo, anda no arame, engole fogo e ainda tem de domar os leões adversários, o que mais há de interessante no novo Circo do Laor? O acróbata Rafael e o gladiador Arouca? Tá bom…. O que mais? Nada. Nada que justifique cobrar R$ 40 reais por uma arquibancada, R$ 120 por uma cadeira lateral, e R$ 80 por uma cadeira de fundo.

No começo do ano, quando o time encantava o país e tinha no elenco estrelas como Robinho, Paulo Henrique Ganso, André e Wesley, além de Neymar, perguntaram a Luís Álvaro por que os ingressos estavam mais caros e ele veio com a célebre referência ao conceituado Cirque du Soleil.

É lógico esperar-se que para assistir a um espetáculo melhor, mais refinado, tenha de se pagar mais caro. Porém, como justificar o preço dos ingressos agora, quando o torcedor é obrigado a ver, nos lugares dos craques que se foram, jogadores como Roberto Brum, Danilo, Marcel e Zezinho?

Quanto você está disposto a pagar para ver Santos e Palmeiras na Vila?