Torcedor tem medo de ficar órfão do Ganso

Por que será que Paulo Henrique Ganso nem quis ouvir o restante da proposta de carreira que o Santos fez pra ele? Quer uma pista? Neymar receberá mais de 600 mil reais por mês, entre salários e outras ações engendradas pelo clube. Quando Ganso ouviu que a seu salário iria aumentar de R$ 130 mil para R$ 275 mil, nem quis ouvir o resto.

A diretoria alegou que o jogador nem chegou a saber dos detalhes da proposta e que a recusa veio de seus procuradores. O jogador nega e afirma que detém os 100% de seus direitos de imagem e que “se o clube quiser, vai ter que pagar”.

Na mesma entrevista à Rádio Globo em que falou do caso, Ganso reclamou que a multa rescisória estipulada pelo clube, de 50 milhões de euros é muito alta, e que o tempo de contrato com o Santos, até fevereiro de 2015, também é longo demais.

No final, o jogador disse que “o torcedor fica com medo de pensar que quero ir embora, mas não é isso. Não quero forçar minha saída do Santos”, concluiu.

Sim, mas o que ele quer que o torcedor pense? Ele recusa o plano de carreira e se queixa da duração do contrato e da multa rescisória. Ora, Ganso pode ser um gênio em campo, mas fora dele está subestimando a inteligência do torcedor santista.

O jogador tem de pensar nele. Mas não só nele…

O contrato até 2015 foi assinado pelo camisa dez em março deste ano, em troca de um aumento de salário. O Santos ainda não tinha sido campeão de nada, ele estava se firmando como titular, nem passava por sua cabeça ser convocado para a Seleção Brasileira e o clube lhe ofereceu R$ 130 mil por mês até fevereiro de 2015 – ou seja, um contrato total de R$ 7,8 milhões. Era ótimo. Por isso ele aceitou.

Sete meses depois, o Santos está lhe oferecendo um aumento superior a 100% no salário, além de se comprometer a usar sua equipe de marketing para conseguir-lhe patrocínios e publicidade que devem multiplicar os seus rendimentos.

Um plano de carreira dá resultado em médio e longo prazos, e mesmo que não traga tanto dinheiro ao jogador como um contrato milionário com um clube de ponta da Europa, geralmente também lhe deixa rico, torna sua imagem mais sólida e lhe reserva um bom mercado no Brasil.

É lógico que um plano que não envolva transferências para o exterior não agrada aos agentes de jogadores, que ganham fortunas com essas transações. E no caso do Ganso a situação é mais aguda, pois seu procurador é seu irmão mais velho, alguém que faz a sua cabeça.

Suas reações nos mostram que o Santos agiu certo ao prendê-lo com uma multa alta e por mais quatro anos. Do contrário, percebe-se que o garoto bateria asas na primeira oportunidade.

A relação ideal entre clube-ídolo-torcida é, como em um casamento, baseada no carinho e na compreensão. Gostamos de gostar de nossos ídolos e nos sentimos felizes quando eles correspondem. É uma sensação maravilhosa perceber que um ex-jogador virou torcedor do Santos.

Mas, se um jogador não entende que o clube não é uma empresa qualquer, que, ao contrário, é estruturado sobre a paixão e a esperança do torcedor, se este jogador prefere ver apenas os “seus direitos”, então está pedindo para ser tratado como um empregado que tem patrão e um público exigente a julgar o seu trabalho.

Se ao invés de agenciadores preocupados em encher o bolso com a gorda comissão de seu passe, o dez da Vila pudesse contar com especialistas em administrar carreiras, ele já saberia que ficando aqui, no Santos, poderá se firmar como o maior jogador do Brasil, titular da Seleção Brasileira e tornar-se ainda mais valorizado do que outros que abandonaram o carinho e o amor de seus fãs para aventurarem-se lá fora.

Não basta ser craque. Tem de ser grato

No momento, Ganso recupera-se de uma cirurgia simples, mas delicada. O clube lhe dá toda a assistência. Não pôde ajudar o time durante a maior parte do Campeonato Brasileiro, só voltará a jogar no ano que vem, e continua recebendo seu alto salário em dia. Será que é tão difícil para ele colocar-se no lugar dos dirigentes do Santos?

Há uma históriaa de que ele tinha um contrato apalavrado com Giovanni, que o descobriu no Pará e a quem prometeu de 15% de seu passe. Mas, ao firmar-se no Santos, Paulo Henrique teria se recusado a cumprir a promessa feita a Giovanni, um dos motivos que fez o velho ídolo abandonar o clube frustrado. Essas histórias podem ficar adormecidas, mas o torcedor não esquece.

Como todo santista, eu gostaria de ver no Santos, mais do que craques, homens excepcionais. Das qualidades humanas, considero a generosidade a mais preciosa. Ajudar alguém sem pedir nada em troca, abrir mão de algo em prol de outra pessoa, é um gesto que enobrece e isnpira admiração.

Paulo Henrique, você que nos brinda com movimentos de rara sabedoria e beleza, que descobre nos campos espaços que ninguém mais vê, procure incorporar esta elegância às suas atitudes. Viver é melhor do que jogar.

Tudo o que o dinheiro pode comprar no mundo, um dia apodrece. Mas o sorriso de uma criança feliz com o seu gol, a lágrima sincera de um torcedor que o ama, isso ficará pairando, entre sua memória e seu coração, por toda a vida.

O você achou de o Ganso ter recusado a proposta de carreira do Santos?