Em 1976 o presidente do Fluminense, Francisco Horta, teve uma idéia genial. Com os clubes do Rio endividados e o receio de que seus craques se transferissem para São Paulo, Horta se reuniu com os presidentes dos outros grandes cariocas e sugeriu o “troca-troca”. O jogador ganhava os 15% do passe, mas os clubes não gastavam mais nada. Foi uma revolução. O Rio voltou a ter o futebol mais interessante do Brasil. Será que não é hora de se fazer o mesmo em São Paulo.

Coloco a questão para meus inteligentes e bem informados leitores. Confesso que não tenho assim, de cabeça, todas as possibilidades de troca entre os grandes de São Paulo. Para começar, sugiro uma que, como sempre, poderá ser aplaudida por uns e amaldiçoada por outros: Keirrison, do Santos, por Dagoberto, do São Paulo.

O primeiro, ainda bem jovem – 22 anos em 3 de dezembro –, é um nome cotado para disputar posição na Seleção Brasileira que jogará a Copa de 2014. Ídolo do Coritiba, já passou por Palmeiras, Barcelona, Benfica e Fiorentina. Com porte físico de 1,84m e 80 quilos, Keirrison, o K9, é o tipo de jogador que explodirá a qualquer momento. Oportunista, pode cair como uma luva no time do São Paulo, que carece de um centroavante com as suas características.

Por outro lado, Dagoberto, 27 anos, 1,75m, que veio do Atlético Paranaense para o São Paulo, não está bem no Tricolor. Com problemas de relacionamento com técnico e diretoria, vive na reserva e agora, com a promoção de jogadores da base, terá ainda menos oportunidades de se firmar na equipe. No Santos, ele seria titular e reencontraria o prazer de jogar futebol.

E que tal Madson por Dentinho?

Uma outra sugestão? Vejamos. Direi uma, agora, que me dói, mas sei que daria certo para os dois times. Todos sabem que assim como Madson, no Santos, Dentinho está com problemas no Corinthians. Ambos dependem muito de motivação para jogar. São jogadores vibrantes, explosivos, mas perderam o entusiasmo nos times em que estão.

Acho que o pequeno gigante Madson seria adorado pelos corintianos, por sua raça e empenho, e acredito que Dentinho encontraria na Vila Belmiro, do seu amigo Neymar, um novo alento para recomeçar sua carreira. Uma troca, neste caso, pode ser boa para os jogadores e seus clubes.

E você, que outras trocas sugeriria entre os grandes do futebol paulista?