“Valeu companheiro. Obrigado por guardar meu lugar!”

A decisão já está tomada, de comum acordo, entre o técnico e a diretoria do Santos. O interino Marcelo Martelotte sabe que mesmo que o Santos venha a ser campeão brasileiro, ele não dirigirá o time na Copa Libertadores de 2011.

Martelotte reconhece que teve uma grande oportunidade de assumir um time de ponta do futebol brasileiro e está procurando fazer o melhor possível no cargo, mas tem consciência de que não tem experiência para comandar o Santos durante a Libertadores da América.

O exemplo do Flamengo no ano passado é lembrado pela direção do Santos como um argumento irrefutável de que ganhar o Brasileiro é uma coisa, mas orientar a equipe em um torneio internacional difícil e eliminatório, como a Libertadores, é outra. Andrade, o técnico flamenguista, passou da condição de herói a vilão depois que o time foi eliminado na competição sul-americana.

Mas as informações dão conta de que Martelotte não se sentirá frustrado se for campeão brasileiro e tiver de ceder o cargo. Ele sabe que este título viria dar um tremendo impulso à sua carreira e não faltariam clubes interessados em contratá-lo.

Abel Braga deve ser mesmo o comandante
As conversações com Abel Braga andam avançadas. O Santos está disposto a pagar ao treinador do Al Jazira, dos Emirados Árabes, um salário digno de um técnico de ponta no país, o que vem a ser um valor superior ao teto salarial dos jogadores, estipulado em R$ 160 mil mensais.

Mesmo que isso não possa ser confirmado oficialmente, os nomes dos jogadores Alex, ex-Internacional, e Williams, ex-Corinthians, são citados como reforços pedidos pelo técnico de 2011.

Você acha que, se for campeão brasileiro, o técnico Marcelo Martelotte deveria continuar comandando o Santos? Ou a Libertadores pede um técnico mais experiente?