Durval chegou prometendo garra. Agora vai pipocar?

Nós aqui tentando nos agarrar a qualquer fio de esperança, e um zagueiro titular do Santos dizendo que agora só vai cumprir tabela… Que papelão, senhor Durval. Para um nordestino, geralmente valente, o senhor está me parecendo um cabra muito frouxo.

Que mensagem o senhor quis dar ao torcedor do Santos com essa sua infeliz declaração? Pois eu entendi algo como: “Nem precisa ir ao estádio, porque nós não vamos nos empenhar, já que não temos mais chances”. Ora, ora, ora, que conversa é essa, homem?

Você acha justo querer receber o salário integral até o final do ano e jogar só de mentirinha? Pois se não está disposto a se dedicar cem por cento, seja digno e abra mão do seu salário, ou da sua posição. Deixe um jogador de mais garra e mais dignidade ocupar o seu lugar.

Olha, esperava uma declaração dessas de qualquer um, menos do senhor Severino dos Ramos Durval da Silva, nascido em Cruz do Espírito Santo, Paraíba, em 11 de julho de 1980. Tamanho homão de 1,84 e 82 quilos, apelidado de “Xerife da Vila”, entregando a rapadura?

Justo Durval, que tem sido campeão todos os anos desde 2004 e já marcou 63 gols em 11 anos de carreira. É um zagueiro-artilheiro mesmo! E vem com essa história de “cumprir tabela”?. Sai pra lá…

Tá na hora de Martelotte escalar só quem acredita no título

Há males que vêm para o bem e o Santos tem tido a sorte de chegar à sua escalação ideal devido a fatores imponderáveis. Foi assim que os inoperantes Marcel e Marquinhos, machucados, finalmente cederam seus lugares a Zé Eduardo e Alan Patrick.

Fosse eu o técnico e aproveitaria essa frase idiota e fora de hora do Durval e o colocaria no banco de reservas. Antes, veria se não há uma cláusula no contrato para multar um jogador que já demonstra, antecipadamente, sua intenção de não se dedicar ao máximo nos seis jogos restantes e decisivos do time no Campeonato Brasileiro.

Mesmo que o Santos fosse o último colocado, e já matematicamente rebaixado, seus jogadores teriam a obrigação de honrar a camisa. Quanto mais ainda tendo chances reais de ao menos lutar até a última rodada pelo título.

Posso estar ranzinza, mas este é o tipo de comportamento que me irrita profundamente. Um jogador não tem o direito de jogar menos do que pode, sempre. Ou ele também aceita que o clube lhe pague menos quando não tem mais chances de título?

E se o Santos não for o campeão, a culpa terá sido, principalmente, de Durval e seus companheiros de zaga, que jogaram por terra tudo o que os atacantes construíram ao longo do campeonato.

Eu teria vergonha na cara e, mesmo sabendo que a luta será inglória, diria a quem me perguntasse, que enquanto houver 0,0001% de chances, o Santos lutará pelas vitórias e pelo título, pois é um time de homens que respeitam o clube, a si mesmos e, principalmente, aos torcedores.

Você não acha que Marcelo Martelotte deve ter uma reunião com os jogadores e contar apenas com quem acredita no título?