Bem, já falamos a respeito desse tema, cujo reconhecimento oficial é imperioso e tão importante para nós Santistas, e também para nossos co-irmãos integrantes dos demais clubes brasileiros que, CAMPEÕES BRASILEIROS DE FUTEBOL, vencendo no campo de jogo, segundo as regras vigentes e também segundo a finalidade da disputa, não têm o reconhecimento, absolutamente político, da mesma entidade – CBF -, que, havendo “herdado” três títulos mundiais da entidade à qual sucedeu – CBD – , não esperou o reconhecimento de ninguém para deles lançar mão e, mais que isso, lançá-los na camisa da equipe brasileira de futebol, sob forma de “estrelas”, além de divulgar aos quatro cantos do mundo que se trata da seleção brasileira de futebol, legitimamente representada por ela, CBF, como a única equipe do futebol mundial PENTACAMPEÃ DO MUNDO.

Mais até do que meramente um título a satisfazer egos, caro Odir, esta condição, única equipe pentacampeão mundial de futebol, traz reflexos polpudos de ordem material e financeira, pois é sob os auspícios destas conquistas que a “herdeira” negocia patrocínios milionários e cotas incomparáveis no valor, pela apresentação de seu time em qualquer canto do mundo.

Paradoxalmente, caro Odir, os três títulos “herdados” foram conquistados pelos mesmos jogadores que ganharam para seus clubes os títulos nacionais que lhes são negados, assim como são negados aos seus clubes…veja como a vida é, meu caro Odir…

Já tivemos oportunidade, aqui mesmo, no site Ombdusman do Santos Futebol Clube, de tecer comentários, pretenso rábula que sou, de ordem técnica, com base exclusivamente na ciência do Direito, que demonstram cabalmente a verdade e o direito adquirido de todos esses clubes de serem reconhecidos, já que conquistaram, seus títulos de CAMPEÕES BRASILEIROS DE FUTEBOL, de 1.959 a 1.970, inclusive.

Naquela ocasião, nos colocamos à sua disposição para, se for necessário no seu entendimento, irmos a juízo visando ao reconhecimento judicial daquilo que, sendo legítimo, é resistido por alguns senhores, donos da verdade; disposição esta meu caro Odir que renovo aqui e agora perante toda a seletíssima comunidade Santista que nos honra com sua presença neste espaço.

Não vou renovar as razões por que o direito desses clubes é legítimo, como se fosse preciso o Direito para nos fazer enxergar; como se não bastassem dois argumentos bem anteriores às leis: 1 – o bom senso; 2 – o respeito à maravilhosa obra dos profissionais que, no exercício de suas profissões, lograram conquistar, com suor e trabalho, aquilo que, com lábia e jeitinho, alguns caras-de-pau querem jogar pra baixo do tapete da história.

Imagine você, caro Odir, se alguns desses profissionais que querem negar as conquistas honestas de outros profissionais, tivessem seus “títulos”, “prêmios” e “trabalho realizado” cassados pela vontade de meia dúzia de pessoas, ao argumento de que, na ocasião em que conquistaram tais honrarias, o curso de jornalismo não contemplava, por exemplo, o ensino de informática, ou de que seus trabalhos foram escritos sem respeitar as regras ortográficas que foram recentemente concretizadas?

Certamente que, noutra demonstração explícita de corporativismo, independentemente de adentrar o mérito da questão, poriam o mundo abaixo, argumentando até que estaria havendo cerceamento do direito de informar da imprensa ou justificativas equivalentes para manterem, com justiça, diga-se, aquilo que construiram ao longo de sua trajetória profissional e de vida.

Como dizia minha mãe, caro Odir, pimenta no rabo do outro, é refresco no meu!

Pobres homens ricos!

Pobres de espírito, pobres de mente, pobres de justiça, pobres de dignidade, pobres de bom senso, pobres de profissionalismo, pobres de generosidade, pobres de conhecimento…enfim, pobres!

Ricos de “esperteza”, ricos de “jeitinho brasileiro”, ricos de “ao amigo tudo, ao inimigo menos que a lei”, ricos de “chantily cobrindo o lixo e a podridão”, ricos de “amigo meu não tem defeito, inimigo se não tiver, eu arrumo”, enfim, ricos de muitas contas…a serem prestadas aos homens de bem e a Deus!

A menos que Este último me leve antes, mas não vou permitir, de braços cruzados, que estes “pobres homens ricos” surrupiem de mim e de milhões de pessoas do mundo, algumas das páginas mais lindas de minha vida; quando me peguei chorando, sem saber por que, ao ver um negro de branco, o Rei Pelé, fazer mais um gol, goleando o Botafogo, em pleno Maracanã….eu tinha apenas 8 anos, caro Odir, e não sonhei isso…eu vi…..TV Record, Raul Tabajara, Flávio Iazzetti, Paulo Planet Buarquet…

Onde estavam estes senhores, quando os então meninos que hoje são senhores, nos proporcionaram tantos sonhos e encantos, como só o futebol pode proporcionar?

Estavam se “educando” para a realização desta verdadeira “obra” de negação da verdade?

Como diz o ditado: esta “obra de arte”, pra quem gosta, é uma travessa transbordante…

Escreveria, tranquilamente, um Tratado, para demonstrar o atentado, abominável crime de lesa-pátria que, tendo perpetrado, querem perpetuar, mas, prefiro, caro Odir, terminar hoje, como encerrei naquele dia:

Pra quem, como eu, ama Filosofia, o consolo é saber que, por mais que seja reiterada, A MENTIRA ESTÁ, enquanto, por mais ignorada, por mais vilipendia e escamoteada que seja, A VERDADE É, PERENE, ETERNA!

Viva o Santos, octacampeão brasileiro, viva nossos co-irmãos também campeões brasileiros, dignamente, dentro de campo, segundo as regras do jogo.

Abraço caro Odir e aos irmãos Santistas do mundo inteiro.

Luiz Tomaz

O que você tem a dizer para complementar o belo discurdo do jurista Luiz Tomaz?