Não é coincidência que os dois tenham sido os grandes paulistas fora da Libertadores do ano que vem. Outro dia já escrevi neste blog matéria porque o São Paulo vivia um ano difícil e não tinha dinheiro para contratar. Agora, sou obrigado a falar da delicada situação do Palmeiras, que tem dívidas de R$ 150 milhões e foi obrigado a pedir antecipado as cotas de tevê do Campeonato Paulista até 2014.

A atitude do palmeiras compromete a gestão dos dois próximos presidentes do clube (o mandato do próximo presidente, que será definido nas eleições do próximo mês, se encerrará no começo de 2013).

Leio esta informação na seção Painel FC, da Folha de São Paulo desta quarta-feira, assinado por Eduardo Ohata e Bernardo Itri. Ainda de acordo com a coluna, o Palmeiras teve um déficit de R$ 5 milhões em outubro. E o pior é que a situação não deve melhorar.

A comissão técnica e o elenco são caros e o clube não tem mais de onde tirar dinheiro. A esperança era ganhar a Copa Sul-americana e, além do prêmio pelo título da competição, garantir uma vaga na Libertadores em 2011. A eliminação para o Goiás, em pleno Pacaembu, foi definida assim pelo diretor de futebol Wlademir Pescarmona: “Você vai fazer marketing como? Vendendo Copa do Brasil, Paulistão? Desculpe a palavra, mas é brochante”.

Para mim, a crise financeira do Palmeiras começou com a crise técnica e hoje as duas andam de mãos dadas. A pressa de sair da fila fez o clube gastar mais do que devia com técnicos e jogadores: Vanderley Luxemburgo, Muricy Ramalho, Luiz Felipe Scolari, Vagner Love, Diego Souza, os eternos machucados Marcos e Valdívia, Kléber Gladiador…

Tentar, o clube tem tentado, mas o time não se firma, as vitórias e os títulos não vêm e isso afasta novos torcedores e potenciais patrocinadores. Por melhor que sejam os profissionais de marketing, não há fórmula que resolva quando um time fica com a imagem de perdedor. E ainda há uma arena caríssima a ser erguida. Como diria um velho palmeirense da mídia: Meu Deus!…

O preço da arrogância

O caso do São Paulo é o oposto, mas, curiosamente, desembocou na mesma situação. O time ra o mais vencedor do Brasil há dois anos: vinha de um tricampeonato brasileiro, estava sempre na Libertadores, seu estádio era cotado para ser a abertura da Copa do Mundo de 1914. De repente, Juvenal Juvêncio resolveu abrir a boca…

Na verdade, não se pode culpar apenas seu presidente, pois parece que a arrogância faz parte do estranho plano de marketing do tricolor do Morumbi. Mas é claro que a palavra na boca do presidente tem mais peso. E foi ele quem, respondendo ao presidente do Corinthians, que queria negociar uma taxa menor pelo aluguel do Morumbi, disse: “quem não tem casa, tem de jogar na casa dos outros e ficar quieto”.

Pois o Corinthians ficou quieto, mas nunca mais jogou na casa do São Paulo. Nem o Santos, nem o Palmeiras. Com isso, além de perder o aluguel, o São Paulo perdeu a enorme visibilidade que dava às empresas que têm placas de publicidade no estádio. Quanto isso deu de prejuízo ao clube? Não se sabe, mas calcula-se em preciosos milhões de reais por ano.

Apesar de possuir, segundo as pesquisas, a terceira maior torcida do Brasil, o São Paulo nunca teve uma grande média de público. Dono de um estádio com capacidade para 67.428 pessoas, o time não consegue atrair 17% de sua lotação total quando joga em casa (a única exceção é na Libertadores, competição para qual o São Paulo não se classificou).

Sem dinheiro, não se monta um elenco forte – e este ano, depois de várias temporadas exemplares, o São Paulo foi um catadão que em nenhum momento inspirou confiança em seu torcedor.

A situação do São Paulo ainda é mais grave do que a do Palmeiras, pois ao menos o time da colônia italiana tem bom relacionamento com a Federação Paulista e a CBF, enquanto o São Paulo se isolou politicamente.

Assim, ao menos em 2010, o único time que conseguiu representar com dignidade o futebol paulista nem tem sede na capital. Sim, o Santos, comandado pelos Meninos da Vila, não só ficou com o título Estadual, como conquistou a Copa do Brasil – ao que tudo indica a única competição ganha por um paulista nesta temporada.

O que você acha que aconteceu com Palmeiras e São Paulo para estarem nessa draga? Será que o decantado trio de ferro foi reduzido à espada enferrujada de um mosqueteiro?