Neymar caminha para se tornar a maior personalidade do Brasil em 2011. Isso não tem preço…

O jornal Folha de São Paulo diz nesta segunda-feira que o israelense Pini Zahavi está em São Paulo desde ontem com a missão de levar Neymar para o Chelsea, também conhecido como o São Caetano da Inglaterra (com todo o respeito ao São Caetano). Não é a primeira vez que Zahavi tenta, e novamente voltará de mãos vazias.

Para que Neymar saia do Santos são necessários dois fatores: que o clube interessado pague, integralmente, a multa de 45 milhões de euros, e que Neymar queira ir embora.

Dinheiro, o São Caeta…, ou melhor, o Chelsea deve ter, pois o dono do clube é o bilionário russo Romam Abramovich, um magnata do petróleo e de outras coisas mais, que investe no futebol para, digamos, tornar o seu dinheiro mais asseado. Mas convencer Neymar a ir embora já são outros quinhentos.

O Chelsea, em 105 anos de vida, ganhou apenas quatro vezes o Campeonato Inglês, ou seja, metade do que o Santos conseguiu em 50 anos. Título mundial? Nem pensar? Carisma? Nenhum. Considerado a quarta ou quinta força do futebol inglês, perde em tradição e currículo para Manchester United, Liverpool, Arsenal, Everton, Aston Villa, Sunderland, Newscastle e Sheffield.

Deu uma melhorada a partir de 2003, quando foi comprado por Abramovich, mas novamente está vivendo uma fase ruim. Sem ganhar a cinco jogos, está na quarta colocação do Inglês, com 31 pontos, empatado com o Manchester United, seu próximo adversário (o detalhe é que o Manchester tem dois jogos a menos).

Neymar – que assinou com a Red Bull – ganhará muito mais no Santos

Maior ídolo do futebol brasileiro no momento, Neymar é uma mina de ouro. Tem sido a personalidade mais lembrada para campanhas publicitárias e acaba de acertar um contrato milionário com a Red Bull. Suas possibilidades como garoto-propaganda são ilimitadas.

Enquanto outros jogadores precisam voltar ao País para ganhar visibilidade e assim tentar uma vaga na Seleção Brasileira, o Menino de Ouro chegou a titular e destaque do time de Mano Menezes sem precisar morar longe de casa.

Além de fundamental para a campanha do Santos na Copa Libertadores da América de 2011, Neymar tem atraído incontáveis torcedores mirins e adolescentes para o Santos.

Mais do que um grande jogador, Neymar está ditando moda – pelas roupas, pelo corte de cabelo, pela personalidade. Prova disso é que acaba de ser eleito o Homem do Ano pela revista VIP.

Neymar é o único jogador sul-americano que pode ser um dos finalistas para o prêmio de melhor jogador do mundo sem precisar ir para a Europa, pois seu talento e carisma transcendem os limites geográficos.

Não sei quanto o senhor Pini Zahavi trouxe na mala para oferecer por Neymar, mas já posso adiantar que é muito pouco. Nem que ofertasse toda a frota da Marinha Britânica, ainda assim seria insuficiente.

Sem contar que, além de tudo o que foi dito, a Inglaterra é um país cinzento e depressivo, que passa mais tempo sob o frio e a neblina do que banhada pelo sol. Suas garotas são brancas e geladas, não têm nada a ver com as brasileirinhas belas e faceiras que adoram Neymar.

Para um garoto de 18 anos, alegre, bem-sucedido, cercado de amigos e amigas, seria um duro castigo jogar no Chelsea apenas por dinheiro. Quem tentar convencê-lo a ir embora, é porque não gosta dele.

Na primeira pedalada que der, um zagueirão inglês vai jogar o garoto por cima do alambrado. E se não tiver com quem tabelar, se não contar com companheiros à altura de seu talento, terá de justificar, sozinho, o dinheirão que gastaram com ele. Se não o fizer, será cobrado, criticado, ironizado (a imprensa esportiva inglesa consegue ser bem mais cruel do que a brasileira).

Finalmente, por mais que muitos jornalistas desmereçam o futebol brasileiro e babem ovos para o europeu, não dá para comparar a história e o futebol do branco imaculado do Santos com o azul desbotado do Chelsea (aliás, mesma cor do São Caetano).

Bem, esta é apenas a minha opinião. Quero ouvir a sua. Acha que por 45 milhões de euros o Santos deve vender Neymar?