O técnico Muricy Ramalho, que está para assinar com o Santos, sem dúvida é mais gabaritado do que o interino Marcelo Martelotte. Porém, tudo tem um preço e às vezes a relação custo x benefício não compensa. Analisemos com calma a questão…

Dizem por aí que Muricy custará ao Santos R$ 800 mil mensais – certamente com a inclusão de outros integrantes da comissão técnica. Particularmente, acho que salários de técnicos e seus assessores estão superdimensionados no futebol brasileiro.

A insegurança dos dirigentes dos clubes faz com que joguem toda a responsabilidade pelo sucesso do time de futebol nas costas do professor – que pode receber um ótimo salário, mas, por outro lado, será sempre o único culpado pelas fases ruins, prática que é bastante conveniente para quem os contrata.

Não concordo com esse hábito. Por isso, entre gastar uma fortuna com a comissão técnica, prefiriria usar o dinheiro com salários de jogadores que venham solucionar problemas.

Com R$ 600 mil mensais, por exemplo, o Santos pagaria salários de um lateral-direito, um volante e um centroavante titulares, cobrindo as carências da equipe.

O que sobrasse, ofereceria para o Martelotte. E para evitar que ele fizesse besteiras, como insistir no Danilo e no Possebon, eu me ofereceria como assessor técnico, pela fortuna de um centavo por mês.

Com 11 bons titulares, o resto fica fácil. Sem problemas para escalar o time, qualquer técnico razoável se sai bem, como Zagalo e Carlos Alberto Parreira já provaram, ganhando a Copa do Mundo.

E você, acha que Muricy vale qualquer esforço, ou também preferiria quer o dinheiro fosse investido em salários de jogadores?