Nas negociações com o Santos, para justificar sua alta pedida, Celso Chera, pai do jogador Jean Carlos, disse que tinha uma proposta pelo passe do filho, de um clube da Europa, no valor de “três milhões de euros na mão e 50 mil euros mensais”. Hoje, sábado, desconfia-se que esta ameaça era um blefe.

Proposta concreta é uma coisa, mera especulação é outra. Imaginei que neste momento Celso já estivesse chegando em Milão e fechando com Milan ou Inter por este valor que ele anunciou, mas a notícia que temos é de que o pai e agente viajará para tentar um acordo com o Mônaco, que, segundo ele, está disposto a pagar o equivalente a R$ 5 milhões de reais só de luvas para contar com o futebol do garoto que até ontem se dizia apaixonado pelo Santos.

Se nada for conseguido junto ao Mônaco, Celso deverá ir para a Inglaterra, visitar o Manchester United, que parece já ter demonstrado algum interesse pelo seu filho no ano passado. Mas esta opção parece ser bem mais remota.

O que fica evidente, para os bons entendedores, é que Celso jogou algumas propostas na mesa sem as tê-las de fato, apenas para pressionar o diretor Pedro Nunes da Conceição, com quem tratou do primeiro contrato profissional do filho, a ser assinado em maio.

Foi apenas uma desculpa para cair fora e não ter de prender o filho ao Santos até os 19 anos, já que o contrato teria três anos de validade? Foi uma estratégia normal de negociação para obter o maior valor possível? Enfim, há respostas que só virão com o tempo.

Porém, confesso que fiquei decepcionado ao saber que aqueles “três milhões de euros na mão e mais os 50 mil euros de salário” não fazem parte de uma proposta concreta. Nem quero imaginar que tenham sido apenas uma invenção, pois aí a decepção com os Chera seria ainda maior.

Pelo lado do Santos, ao contrário do que se noticia, o advogado João Vicente Gazolla garante que o clube tem, sim, direito a receber algo pela transação de Chera com outro clube. “Se ele sair do Santos, o clube tem direito de receber. Ele tem contrato de formação em vigor com o Peixe. Há seis anos o Santos está pagando consideráveis quantias para ele”, diz Gazolla.

De qualquer forma, o clube ainda tem esperanças de que os Chera pensem melhor e sentem novamente à mesa de negociações, o que deve acontecer na próxima quinta-feira. Porém, se ficar provado que Celso estava blefando para tirar mais dinheiro do Santos – e conseguir para o filho um contrato bem maior do que os astros Neymar e Ganso tiveram no início de suas carreiras profissionais –, será que ainda haverá clima para Chera continuar no Alvinegro Praiano?

Creio que apenas um humilde pedido de desculpas e a aceitação do contato conforme as condições oferecidas pelo clube poderiam remediar a situação e fazer com que o torcedor entenda e aceite Chera de volta. Mas minha opinião é só uma. Quero ouvir a sua. Desabafe nos comentários e também participe da enquete. Apesar de tudo, vale a pena ter Chera de volta?