Ontem, mesmo recém-chegado de uma viagem ao distante Azerbaijão, o Santos estreou na Liga Nacional com uma vitória sensacional, de virada, sobre o forte Krona, de Joinville, por 3 a 2. Falcão, perseguido pela torcida local, não brilhou, mas por um lado foi até bom. O jogo mostrou que o Alvinegro Praiano tem um elenco excelente. Todo mundo que entrou, jogou bem. E o técnico santista, Ferretti, enxerga muito. É um sábio, um filósofo do futebol.

O ginásio lotado de Joinville explodiu com os dois gols do Krona no primeiro tempo: Chico, pegando um escanteio de sem-pulo, aos 18 minutos, e Serginho, em uma jogada de garra, um minuto e meio depois, incendiaram o Ginásio Univille. Mas nem essa desvantagem, nem o ambiente hostil, abalaram a tranqüilidade santista.

No segundo tempo, Ferretti colocou o rápido Pixote na quadra e ele, muito ágil e habilidoso, mudou o jogo e marcou o primeiro gol do Santos, aos quatro minutos.

Seis minutos depois, em um sem-pulo espetacular, Ricardinho empatou a partida. E a dois minutos para o final, Neto acertou outro sem-pulo de longe, a bola bateu em Chico e entrou, para festa doa animadores torcedores do Santos que foram prestigiar o time.

O Santos/Cortiana jogou com Djony, Índio, Ricardinho, Valdin e Falcão. Entraram também Pixote, Neto, Deives, Jé, Bruno Souza e Jackson. Já deu pra ver que este time vai empolgar. Agora, o Santos deve organizar bem os jogos na Arena de Santos, para que o esporte pegue de vez na cidade.

Em Santos, ingressos baratos, por favor

Na quinta-feira o Santos volta a jogar fora de casa, enfrentando o Assoeva, em Venâncio Aires, Rio Grande do Sul. Mas na segunda-feira que vem jogará, finalmente, na Arena de Santos, contra um dos timaços do futebol de salão, que é o Carlos Barbosa.

Com o seu time de futsal, o Santos não só pode ganhar uma visibilidade importante, reforçando sua imagem de reduto do futebol-arte, como se tornar uma boa atração de lazer para os santistas.

Para isso, espero que a coisa já comece do jeito certo, que é tornar o esporte um atrativo bom e barato. Como não há tradição pelo futsal em Santos, ingressos caros certamente afastarão o torcedor e o clube perderá uma ótima oportunidade de promover espetáculos completos.

O que é caro no futsal? Não sei dizer ao certo, mas acho que 20 reais já é muito. Mulher deveria pagar? Acho que não. E crianças, acompanhadas, também poderiam ter acesso livre. Assim como idosos. O Santos deve fazer todo o esforço para tornar o futsal um espetáculo popular na cidade, pois só assim conseguirá criar uma cultura do esporte e um público fiel.

E se, ao menos nesses primeiros jogos em Santos, houver maneira de se subsidiar os jogos e se permitir a entrada franca, seria ótimo. O importante desse início de relação do novo esporte com a cidade é gerar essa interação entre os santistas e o time.

Veja a reportagem do jogo feita pelo Portal Joinville:

Gostou? Vai prestigiar o Santos nos jogos na Arena Municipal? Quanto você está disposto a pagar por um ingresso para ver o futsal do Alvinegro Praiano?