Como este blog já adiantou, a matéria publicada no tabloide Lance em 12 de abril, terça-feira passada, não correspondia à verdade. Naquele dia o pequeno jornal esportivo paulistano publicou matéria assinada por Bruno Andrade, Felipe Bolguese e Plínio Rocha com o título Ganso diz ‘sim’ ao Corinthians e pode chegar após a Libertadores. E prosseguia: Meia se encontrou com Andrés Sanchez na sede da 9ine, na última sexta. Saída será por meio de briga judicial com o Peixe.

Na seqüência, todos os envolvidos negaram a matéria. Os presidentes de Santos e Corinthians, representantes do jogador e da DIS. Ganso fez o mesmo no Paraguai e voltou a repetir ontem, com todas as letras: “No Brasil, sempre vou honrar esse manto sagrado”, assegurou.

Para quem ficou em dúvida, “manto sagrado” para o maior 10 do Brasil quer dizer a camisa do Alvinegro Praiano, nenhuma outra é sagrada para ele, ao menos em nosso país. Ganso não nega que gostaria de jogar na Europa, mas pretende sair do Santos sem nenhuma briga com a diretoria ou a torcida e nunca se mudaria para outro time brasileiro.

A matéria do Lance dizia ainda: Depois de meses de negociação, o meia Paulo Henrique Ganso aceitou a proposta do Corinthians – salários e todas as bases – e vai começar a brigar para deixar o Santos após a disputa da Libertadores. O acordo foi encaminhado na última sexta-feira, em encontro do jogador com Ronaldo, na sede da 9ine, agência de marketing esportivo que pretende administrar a imagem do meia. O presidente corintiano, Andrés Sanchez, que é conselheiro da empresa, participou da reunião para negociar a transferência e ouviu o “sim” de Ganso. A ideia é anunciar um contrato longo (três ou quatro anos), mas o acordo prevê a venda do jogador após a disputa do Brasileiro. Ou seja, apenas uma maneira de “disfarçar” a ponte para a Europa, principal objetivo do craque na carreira.

Certamente esta matéria não poderá concorrer ao Prêmio Esso, ou a qualquer outro de jornalismo, mas pode ser inscrita em algum concurso de ficção.

Você chegou a imaginar, em algum momento, que o Ganso deixaria mesmo de vestir o manto sagrado para troca-lo pela camisa de um outro time brasileiro?