Não estou falando só dos deuses do futebol, mas também da estratégia do técnico Muricy Ramalho, que preferiu escalar dois jogadores altos no ataque – Keirrison, 1,83m; e Diogo, 1,81m – e passou o treino de ontem pedindo para Pará e Jonathan, pela direita, e Léo e Alex Sandro, pela esquerda, cruzarem bolas para os dois atacantes.

Não é o tipo de jogo preferido dos santistas, mas foi assim que os times de Muricy ganharam quatro títulos brasileiros em seis anos. Se o time paraguaio fizer jus ao nome e entrar com uma defesa “cerrada”, o centro alto poderá definir o jogo.

Mesmo sem estar em ritmo de jogo, após a contusão muscular, Arouca voltará ao time, no lugar de Elano. Ele e Adriano serão os marcadores do meio-campo. Danilo, além de marcar, terá liberdade para apoiar o ataque, e Paulo Hernrique Ganso ficará com a incumbência de coordenar os ataques.

Na defesa, Johathan, também voltando de contusão, será o lateral-direito, no lugar de Pará. O time do Santos para operar o milagre de Assunção será formado por Rafael, Jonathan, Edu Dracena, Durval e Léo; Adriano, Arouca, Danilo e Paulo Henrique Ganso; Diogo e Keirrison.

Cerro também quer vencer. Mas o empate estará bom…

O técnico do Cerro, o argentino Alberto Astrada, disse que seu time jogará pela vitória, já que os três pontos garantirão a passagem para a próxima fase. Mas admitiu que o empate não será um mau resultado:

“En principio tenemos que pensar en cómo conseguir los tres puntos; pero en la medida como se da el partido, el empate tampoco es un mal resultado”, disse a uma tevê local, explicando que com o empate o Cerro continuará dependendo de suas próprias forças.

Para o Santos, porém, o empate já seria terrível, pois na última rodada é bem provável que los hespanos Colo Colo e Cerro combinem um empate que classificará a ambos, deixando o Santos de fora.

Você acha que Muricy está certo de formar a dupla de ataque com Keirrison e Diogo, ou preferiria que Maikon Leite fosse escalado? E o jogo aéreo, pode ser mesmo eficiente?