Dei uma informação errada quando disse que o salário baixo de um jogador facilita sua contratação por um clube estrangeiro. Na verdade, a multa para o exterior é livre e pode ser estipulada pelo clube que detém o contrato com o atleta. Por exemplo, o Santos pode pagar cinco mil reais por mês a Felipe Anderson e estipular sua multa em 100 milhões de euros, se quiser.

A relação entre o salário e a multa vale para o mercado brasileiro. Neste caso, o cálculo da multa é feito da seguinte forma: Multiplica-se o salário por 13,3 e depois multiplica-se este resultado por 100. O resultado é o valor do passe para um clube do Brasil.

Por isso é que há tantos juvenis ganhando salários de profissionais, ou até maiores. Pois são promessas e, se não ganharem bem, podem ir embora por preços de banana.

Por exemplo: se Jean Carlos Chera ganhasse apenas R$ 1.000,00 (hum mil reais) por mês do Santos, sua multa para um clube brasileiro seria de apenas R$ 1,33 milhão (um milhão e trezentos e trinta mil reais). Mas agora que ganha R$ 40 mil mensais, a multa é de R$ 53,2 milhões.

Pagar um salário maior a Felipe Anderson (foto) – que acaba de ser um dos destaques da Seleção Brasileira Sub-18 que hoje venceu o Torneio de Barcelona – não é apenas questão de recompensar um garoto disciplinado, talentoso, que tem tudo para se tornar um meia eficiente do Santos. É questão de valoriza-lo e investir no patrimônio do clube, impedindo que ele vá reforçar os rivais.

Agora você entendeu porque juvenis às vezes ganham tanto? Qual seria um salário justo para Felipe Anderson?