Como o jogo de hoje é decisivo para a permanência do Santos na Libertadores, e como o técnico Muricy Ramalho ainda não assumiu e o interino Marcelo Martelotte nunca assumiu, sou obrigado a meter minha colher e dizer como o Santos tem de jogar não só para vencer, mas para aplicar uma goleada no Colo Colo – às 21h50m, na Vila Belmiro, com transmissão do Sportv.

É importante marcar a saída de bola do adversário. A defesa é o ponto frágil do Colo Colo. Se seus jogadores não tiverem espaço para sair jogando, darão chutões para a frente, devolvendo a posse de bola para o Santos. Quando pressionada, a defesa chilena não aguenta a pressão. Até o Táchira fez dois gols nela quando foi pra cima.

Que o Santos tem de atacar o tempo todo é óbvio, mas não amalucadamente, pois o forte do Colo Colo é o contra-ataque. Adriano e Danilo devem estar sempre prontos para proteger as laterais, já que Pará e Léo terão de marcar presença no ataque.

Os zagueiros Edu Dracena e Durval terão de refrear seus impulsos de ir à frente. Em escanteios ou cobranças de falta, é natural que ao menos um deles vá à área adversária tentar a cabeçada, mas em lances de bola rolando, é melhor que ambos resguardem mais a defesa, pois os chilenos, repito, são bons do meio-campo pra frente.

As melhores opções que o Santos tem para chegar ao gol do Colo Colo são as penetrações de Pará e Léo pelas extremas, os lançamentos de Ganso, as investidas zigue-zagueantes de Neymar, os chutes de Elano e as trombadas e peitadas de Zé Eduardo. Sim, hoje é um jogo que vale gol de tudo quanto é jeito e, neste particular, a raça de Zé Love pode resolver.

Neymar não deve se restringir à ponta-esquerda e sim ter liberdade para se deslocar por todo o ataque. Sua movimentação é um dos fatores que deverá desestabilizar a defesa contrária.

A incógnita chamada Ganso

O jornal italiano Gazzetta dello Sport noticiou que se o Santos perder hoje, Ganso estará mais perto do Milan. Não acho que Ganso jogará mal de propósito para que o time perca, mas, de qualquer forma, se eu fosse o técnico, prestaria muita atenção no seu desempenho. Às vezes é melhor ter no time um jogador menos talentoso, mas totalmente concentrado no jogo, do que um gênio que está com a cabeça a milhares de quilômetros dali.

A crise do Colo Colo

Desde que ganhou do Santos, o time chileno não venceu mais. Jogou três vezes pelo Campeonato Chileno e empatou com o Cobreloa e perdeu do Huachipato e do Audax Italiano.

Para explicar os maus resultados, o técnico Américo Gallego disse que o time não tinha elenco e os jogadores entenderam que ele os estava criticando. O técnico explicou que faltava quantidade de jogadores para disputar duas competições ao mesmo tempo, mas o mal estar continua.

Uma bela retranca

A entrada do jovem lateral-esquerdo Sebastián Toro indica que Américo Gallego deverá armar uma linha de três zagueiros. Não é segredo que o time chileno, líder do grupo, com seis pontos, sairá feliz da vida com um empate.

Como o bom atacante Paredes não joga, o único jogador do Colo Colo que ficará mais à frente é Ezequiel Miralles, que fez o segundo gol da vitória de sua equipe sobre o Santos na vitória por 3 a 2, em 16 de março. Bom em bola alta, é um que Edu Dracena deverá vigiar em cima.

Não se fura retranca com quantidade de jogadores, mas com inteligência. As melhores opções para isso são as triangulações pelas pontas, os chutes de fora da área, os passes enfiados ou as jogadas individuais.

Santos só pode perder para ele mesmo

Jogando em casa, com o apoio de sua torcida, precisando da vitória, motivado pela entrada de um novo técnico e diante de um adversário em crise, que se contentará com o empate, o Santos só não vencerá, hoje, se tropeçar novamente em seus próprios erros.

Estes erros têm sido a falta de concentração no ataque e na defesa. No ataque, tem perdido muitos gols, alguns de fácil feitura, como se tivesse perdido também o entusiasmo por faze-los, e na defesa tem dado uma liberdade inesperada aos atacantes adversários.

Porém, mesmo que erros aconteçam, hoje não haverá tempo para lamenta-los. Um grande sonho estará em jogo e sua conquista é bem possível. Desde que o Santos faça aquilo que sempre soube fazer. Que é ir pra cima dos adversários e enche-los de gols.

Na Bolívia, o Santos tinha perdido para o San José por 2 a 1, pela Libertadores de 2008. Mas no jogo de volta, na Vila Belmiro, o time voltou a jogar o que sabe. Reveja os gols da partida:

Como você acha que o Santos deve jogar para vencer o Colo Colo?