Danilo foi essencial para a classificação do Santos na Libertadores.

Danilo, o rapaz que veio do América Mineiro e parecia mais perdido do que cachorro que caiu de mudança, hoje é titular absoluto do time de Muricy Ramalho e já desperta em alguns santistas o receio de perde-lo. Quanto dura o seu contrato com o Santos? A DIS também é a dona de seu passe? Respondo agora…

Danilo Luiz da Silva, revelado nas categorias de base do América Mineiro – que defendeu profissionalmente em 2009 e 2010 –, nasceu em Bicas, cidadezinha de 14 mil habitantes da Zona da Mata de Minas Gerais, situada a 40 quilômetros de Juiz de Fora e 200 quilômetros do Rio de Janeiro.

De porte de 1,84m e 73 quilos, Danilo destacou-se como lateral-direito, mas no América também chegou a jogar no meio-campo. Muito jovem, fará 20 anos apenas em 15 de julho.

Santos, DIS e América/MG são donos de seu passe

Seu passe foi comprado pela DIS, que pagou ao América a multa rescisória de R$ 2 milhões. Para que ganhasse visibilidade, foi repassado ao Santos em troca de 37,5% de seus direitos federativos. A DIS ficou com os outros 37,5% e o América Mineiro com 25%. O Santos paga os seus salários.

Contrato vai até a Copa do Mundo

O contrato de Danilo com o Santos vai até 28 de junho de 2014, ou seja, em plena Copa do Mundo, já que a competição será disputada de 13 de junho a 13 de julho daquele ano.

Seu estilo de jogo, por ele mesmo

Quando chegou ao Santos, Danilo estava disposto a brigar pela posição com Pará e Maranhão, os outros laterais-direito do time. No entanto, acabou sendo mais utilizado no meio-campo e, depois de várias atuações insatisfatórias, parece ter contraído a “Síndrome de Wesley”, que faz jogadores desacreditados se transformarem em craques santistas da noite para o dia.

Agora ele se diz confiante, jogando com felicidade, e não se vê mais como lateral-direito. Acha que seu estilo de apoiar o ataque pelo meio, aproveitando sua velocidade nos contra-ataques, é um de seus pontos fortes. Mas também gosta de seu poder de marcação e de suas “bolas paradas”. Acha que jogando pelo meio poderá trilhar “um caminho muito bom” para sua carreira e, como sonha, chegar à Seleção.

Sua cabeça e seu corpo. E sua determinação!

Danilo terminou o ensino médio e ainda pensa fazer faculdade. É articulado. Não diz nóis vai e nóis vorta. Esse esclarecimento provavelmente tenha sido fundamental para entender mais rápido como poderia melhorar seu desempenho no Santos.

Reconhece a importância do treinamento para se manter em forma e se orgulha de seu condicionamento físico. “Tenho fôlego para correr o jogo todo. No segundo tempo, quando as equipes geralmente estão cansadas, pego o pessoal de surpresa”, diz. Outro ponto forte de seu jogo, segundo ele, é a “bola parada”, que treina muito.

Seu espelho? Wesley. Seu sonho? Jogar no Liverpool

Ao chegar ao Santos, em uma entrevista para um site de Minas, Danilo disse que o jogador que mais admirava naquela Santos de 2010 era Wesley, que ele definia como “o motorzinho do time”.

Também quiseram saber qual era o seu sonho e não fugiu à pergunta. Disse que era jogar na Europa, mais precisamente no Liverpool. Mas admitiu que ainda tinha muito o que evoluir e teria de se “concentrar aqui no Santos, pois o resultado do meu trabalho é que vai me levar a essas conquistas”.

Queima minha língua, garoto. Queima que eu gosto!

Depois de Wesley, Danilo é outro jogador do Santos que me tem feito queimar a língua. A cada 10 partidas, fazia uma boa, duas ou três mais ou menos e a maioria, ruins. Errava passes, marcava mal, parecia assustado e disperso. Sei lá que chá o que aconteceu com o rapaz nos últimos jogos para melhorar tanto…

Talvez a possibilidade de, primeiro marcar, e depois vir de trás, como o chamado elemento-surpresa, tenha sido a chave para o sucesso. O adversário se preocupa com Neymar, Ganso, Elano, e de repente aparece o novato Danilo decidindo o jogo.

Seu gol contra o Cerro Porteño, que abriu o caminho para uma vitória histórica contra um bom time (que mostrou sua força contra o Colo Colo, no Chile), foi o mais importante do Santos neste ano. Sem contar que o terceiro contra o Táchira, no Pacaembu, também foi decisivo por acabar com a reação dos adversários.

O que aprendi com Danilo

O exemplo de Danilo me fez, humildemente, rever meus conceitos com relação a jogadores jovens, que vêm para o Santos credenciados por boas atuações anteriores e pela indicação de profissionais experientes.

Apesar das desilusões recentes com tantos garotos promissores, como Zezinho, Maranhão e Breitner, entre outros, temos de dar-lhes o benefício da dúvida. Talvez não sirvam para o Santos hoje, mas, quem sabe, depois de algum tempo, possam justificar a esperança que um dia depositamos neles.

Assim, o exemplo de Danilo, que repete o caso de Wesley, certamente me fará esperar um pouco mais antes de dar uma opinião definitiva sobre outros jovens, como Alex Sandro, Rodrigo Possebon, Dimba e Moisés, entre outros. E se for apenas nervosismo? E se estiverem na posição errada? E se um toque mágico do professor Muricy mudar tudo?

Reveja o gol mais importante do Santos este ano:

http://youtu.be/BA28_UkXq1U

Seja sincero: o Danilo também não está fazendo você queimar a língua?