“Eles estão distantes”, diz o UOL, esquecendo-se de que ocupam o mesmo quarto na concentração.

Hoje a matéria principal do Esporte do UOL, site que ainda assino, tenta mostrar que os amigos Neymar e Ganso estão distantes. Com o título “Influência de empresários e assessores distancia os amigos Neymar e Ganso”, o texto é assinado por Gustavo Franceschini, João Henrique Marques e Ricardo Perrone. Bem, esta matéria é uma grande forçação de barra.

Com um pouco mais de perspicácia, os três autores teriam feito um trabalho mais honesto, pois ao menos não se “esqueceriam” de um detalhe que faz com que tudo que disseram perca a validade. Ou faltou conhecer melhor como funciona um time de futebol, o que é obrigação para quem acompanha o esporte, ou o “esquecimento” foi proposital, o que denota vontade de arredondar a pauta, ou má fé mesmo.

O xis da questão é quando a trinca de autores afirma que “Ganso e Neymar agora só são vistos juntos durante os treinamentos do Santos”, não dando a real dimensão de tempo que isso significa. Ora, jogadores de futebol solteiros passam a maior parte do tempo no clube, não só treinando, mas tomando as refeições, ouvindo as orientações do técnico e do preparador físico, viajando, se concentrando para os jogos… Enfim, convivem mais com os companheiros de time do que com os familiares.

Ambos dividem o mesmo quarto na concentração

E há um detalhe entre Ganso e Neymar que não poderia ter passado despercebido para quem escrevesse sobre eles: ambos dividem o mesmo quatro no Hotel Recanto Alvinegro, onde o Santos se concentra. Portanto, continuam conversando muito, jogando videogame, dormindo no mesmo ambiente, enfim, compartilhando da companhia um do outro a maior parte do tempo, mesmo longe das câmeras.

Vi nos comentários da matéria do UOL que os santistas já estão dizendo que sempre antes de um jogo importante do Santos, surge esse tipo de reportagem, como se fosse o UOL estivesse de caso pensado para desestabilizar o time. Não acredito nisso.

Acho que a visibilidade maior que estes jogadores gozam no momento, e a circunstância de jogarem no mesmo time, faz com que surjam, naturalmente, pautas que envolvem os dois e o Santos. O que incomoda é que, invariavelmente, puxam para o lado negativo, como se só a polêmica atraísse a atenção dos leitores.

Acho o caminho da polêmica pobre, mesquinho e manjado como saída para um bom jornalismo. Há tantas coisas interessantes para se falar sobre a amizade de Neymar e Ganso, dois jovens geniais que ainda nos dão o prazer de desfilar sua arte pelos campos brasileiros, que escolher a fofoca demonstra, no mínimo, falta de imaginação.

O que você acha do jornalismo que apela para a polêmica para chamar a atenção? É uma saída válida, ou só faz o veículo perder a credibilidade?