Por várias vezes o Santos teve contra-ataques para, como se diz, matar o jogo. Três contra três, dois contra dois e até dois contra um, mas a impressão que ficou é que, se não fosse Neymar – o autor do gol solitário da partida –, nenhum outro santista conseguiria colocar a bola pra dentro. Até Elano, considerado um mestre em cobranças de falta, nada fez.

Isso manteve o resultado indefinido até o final. Mérito também da Ponte Preta, claro, que jogou bem e poderia naturalmente ter chegado ao empate que levaria a decisão para os pênaltis.

Léo saiu chorando de campo depois de uma pancada na perna, mas parece que não foi tão grave e poderá jogar na quarta-feira, contra o América do México. Das estrelas, Elano foi o mais discreto e novamente acabou substituído por Adriano nos 15 minutos finais.

Assim como contra o Táchira, Edu Dracena e Durval deram algumas cochiladas que poderiam ter provocado um gol da Ponte. Acho que Muricy já percebeu que manter os dois no time ao mesmo tempo é querer viver perigosamente.

No meio, Arouca e Danilo foram importantes na marcação que freou os ataques do bom alvinegro de Campinas. No ataque, Zé Eduardo voltou a tropeçar na bola. Por incrível que pareça, Keirrison o substituiu bem e poderia ter aumentado sua chance de permanecer no Santos caso tivesse aproveitado uma oportunidade ao final da partida.

Os laterais Jonathan e Léo foram bem, assim como o goleiro Rafael. Alex Sandro, que substituiu Léo, não inspirou confiança e chegou a fazer uma falta perto da área que quase deu o gol de empate ao adversário.

Deu para perceber que o Santos de Muricy não dará gol de graça. Mesmo em um dia em que nem tudo correu bem para o Santos, veio uma vitória importante. Isso porque a defesa tem sido prioridade e os jogadores estão se recolocando rápido depois de perder a bola.

Que não culpem o Muricy pelo placar magro. Se os jogadores tivessem caprichado um pouquinho mais, o Santos teria feito ao menos mais dois gols. Oportunidade para isso, teve. Agora, que venha a Lusa. Ou o São Paulo.

E você, o que achou de Santos e Ponte Preta?