Muricy e seus bravos guerreiros em busca de um milagre em Assunção

Ironia do destino. Justo no jogo mais importante do ano, no dia do seu 99º aniversário, o Santos enfrentará o Cerro Porteño, no Paraguai, com um bando de renegados. Com algumas exceções, o técnico Muricy Ramalho só poderá contar com jogadores de saída do clube, em má fase ou em débito com a torcida.

Sem Elano, Neymar e Zé Eduardo, Muricy Ramalho terá de lançar mão de jogadores que não pertencem mais ao clube, não terão seus contratos renovados ou não têm a confiança do torcedor, casos de: Maikon Leite, que irá para o Palmeiras; Róbson, de malas prontas para o Avaí; Keirrison, que voltará para a Europa; Paulo Henrique Ganso, que está com a cabeça bem longe; Pará, Danilo, Adriano e Edu Dracena, que não agradam à maioria dos santistas; além dos reservas Alex Sandro e Alan Patrick.

A situação gerou expectativas opostas na Vila Belmiro. Há quem acredite que a dificuldade fará com que o time se supere e o Santos alcance uma vitória história. Outros, menos otimistas, acreditam, que as expulsões de Neymar e Elano selaram a sorte do Santos na Libertadores.

E você, acha que este exército brancaleone se consagrará em Assunção, será massacrado pelos paraguaios, ou conseguirá ao menos um empate?