Uma vitória do Corinthians, hoje, por um gol de diferença, ou nos pênaltis, dará ao Santos o mando de campo na segunda partida da final.

O regulamento da Federação Paulista de Futebol diz: “Na fase final, o clube que tiver obtido a melhor campanha na somatória de todas as fases anteriores, realizará a primeira partida na condição de visitante e a segunda partida como mandante.”

Com a vitória de ontem, o Santos passou a ser o líder do campeonato, empatado com o Palmeiras no número de pontos e de vitórias (41 e 12), mas à frente deste no saldo de gols e em gols marcados (22 a 20 e 42 a 28). O Corinthians ficou atrás do Santos com três pontos e uma vitória a menos, além de perder no saldo de gols (22 a 21) e nos gols marcados (42 a 33).

É claro que um empate já deixará o Palmeiras à frente do Santos. Portanto, a classificação do alviverde, mesmo na disputa por pênaltis, dará a ele o direito de fazer o segundo jogo da final como mandante.

Porém, se o Corinthians vencer a partida por apenas um gol de diferença, ou na cobrança de pênaltis, ficará atrás do Santos na classificação geral e fará a segunda partida da decisão com torcida contra.

Finais podem ser jogos de uma torcida só

A confusão com ingressos na partida entre Palmeiras e Corinthians, hoje, em que o Corinthians se sentiu prejudicado por ficar apenas com o reservado aos visitantes, ao invés do tobogã, como era o acordo entre os dois clubes, pode fazer com que as partidas da decisão sejam de uma torcida só.

Assim, o Santos poderá viver o sonho de, por exemplo, lotar um Pacaembu ou um Morumbi apenas com seus torcedores para um jogo contra o arquirrivais.

Que vença o pior

De camarote, com ar condicionado e bebidinha gelada, o santista assiste a Corinthians e Palmeiras brigarem hoje, às 16 horas, no Pacaembu, pela honra de decidir o título paulista com o Alvinegro Praiano.

Palestrinos e alvinegros da capital se equivalem. O primeiro tem o técnico mais vitorioso, o segundo conta com o entusiasmo de sua torcida (que hoje será grande minoria).

Kléber e Valdívia e Marcos Assunção, pelo Palmeiras; Liédson, Dentinho e Bruno César, pelo Corinthians, são os que podem decidir o jogo, que deverá ser amarrado.

Você acha que seria importante fazer o segundo jogo da final com torcida a favor, ou prefere que o Santos decida com torcida contra?