Dominado em quase todo o segundo tempo e salvo por grandes defesas de Rafael, o Santos conseguiu um empate dramático em 0 a 0 contra o América, em Querétaro, México, e está nas quartas-de-final da Copa Libertadores. A classificação valeu pela garra, pela luta, mas mostrou que o time tem carências.

O Santos até que segurou bem o jogo no primeiro tempo e continuava tranquilo no segundo, mas começou a se desintegrar quando Arouca se sentiu mal e teve de ser substituído por Rodrigo Possebon, um sujeito que parece estar jogando futebol pela primeira vez. Não sabe se colocar em campo, não marca ninguém, e só ajudou a embolar pelo meio.

Quando Muricy resolveu tirar Zé Eduardo e colocar Bruno Aguiar, para fazer o esquema com três zagueiros que deu certo contra o São Paulo, o Santos abdicou totalmente do ataque. Sozinho na frente, Neymar não conseguiu pegar nenhum chutão que vinha da defesa, e Ganso, sem pernas, tentava armar alguma coisa, mas em vão.

Léo e Jonathan deixaram de apoiar pelas laterais, Danilo sumiu do jogo e o Santos virou um monte branco amontoado em seu campo, tentando segurar o 0 a 0. O pior é que cada bola centrada na área era um perigo. Por mais jogadores que o Santos tivesse por ali, os mexicanos sempre levavam vantagem.

No finzinho Edu Dracena saiu com o nariz sangrando e foi substituído por Alex Sandro que, a exemplo de Possebon, não entrou bem na partida (bem, pelo menos ele corre mais que o Possebon, que parece estar desfilando em um jogo de casados e solteiros).

O final foi um desespero só, mas o empate e a classificação foram justos. Não por esse jogo, mas por tudo que o Santos tem jogado nos últimos dias e pelas dificuldades que passou para chegar ao México e fazer este partida

Acho que o time sai bem forte destas oitavas e pode surpreender o Cruzeiro nas quartas, para mim o melhor time desta Copa Libertadores até aqui.

Primeiro tempo um pouco menos sofrido

No primeiro tempo, até que foi possível, ao Santos, manter a bola a maior parte do tempo sob seu domínio, mas a verdade é que as únicas chances de gol foram do time mexicano: uma bola cabeceada na trave, que no rebote quase vira gol, e em uma enfiada pela esquerda, que resultou em um centro rasteiro para a pequena área, por pouco não alcançado por um jogador do América.

O ataque do Santos pouco apareceu. Zé Eduardo correu para lá e para cá, sem nada produzir de prático. Neymar esteve cercado até por três jogadores (tinha-se a impressão, porém, de que na primeira arrancada poderia decidir a classificação).

Arouca caiu pela direita, para tentar fazer o um-dois com Jonathan, mas na hora de cruzar, não acertaram. Danilo tentou um chute de longe, muito alto. Além dele, só Neymar também chutou, também por cima na trave. Chance de gol, o Santos não teve nenhuma.

Rafael pareceu calmo, mas um pouco distraído, Léo esteve bem, Durval melhor do que Dracena, Jonathan bem com a bola, mas precisava se preocupar com as costas.

No meio, Adriano marcou bem, mas caiu quando tinha uma bola dominada e quase cedeu um gol para o adversário. Danilo mais defendeu do que atacou. Paulo Henrique Ganso ajudou na marcação e, com a bola no pé, foi a esperança de uma assistência salvadora, que não veio.

A perspectiva para o segundo tempo era de que Muricy mexeria no time. Ou ao menos com os brios do time, pedindo mais atenção. Talvez ele pudesse repetir o que fez contra o São Paulo, tirando Zé Eduardo e colocando Bruno Aguiar, fazendo uma linha de três zagueiros. Porém, mesmo sem fazer muita coisa, Zé Love ao menos preocupava a defesa contrária e segurava uns dois zagueiros lá atrás. Sem ele, os mexicanos iriam pra cima do Santos com tudo, como realmente acabou acontecendo.

Otimistas, só 2% dos leitores deste blog votaram no resultado de 0 a 0. Quase todos apostavam em uma vitória do Santos, até tranqüila. A verdade, porém, é que o América jogou bem, soube armar-se na defesa para evitar um gol do Santos – o que seria terrível para ele – e ao mesmo tempo atacou com perigo, principalmente com bolas altas cruzadas das laterais.

Não foi uma boa partida do Alvinegro Praiano no aspecto técnico, mas deve-se levar em conta que o time deve estar exausto. Agora, porém, terá tempo para descansar antes do primeiro jogo pela final do Campeonato Paulista. E, provavelmentem, nao terá de volatr ao México tão cedo.

E você, o que achou do jogo? Acha que o cansaço influiu na queda de rendimento do Santos no segundo tempo, ou o América é que jogou bem?