A despedida era de Ronaldo, mas quem jogou fácil e conquistou o público foi, como se esperava, o garoto Neymar. O único gol do jogo, de Fred, teve 99,99% de participação do santista, que driblou o goleiro e passou a bola, quase em cima da linha, para o centroavante empurrar para o gol.

Neymar também deu duas assistências para Ronaldo, o festejado da noite, mas este, completamente fora de forma, desperdiçou ambas. Robinho também deixou Ronaldo na cara do gol, com uma bola rolando na marca do pênalti pedindo para estufar as redes, mas o ex-artilheiro mandou-a às nuvens.

Como o momento era de reconhecimento pela carreira vitoriosa de Ronaldo, a imprensa parece ter feito um pacto para não analisar sua atuação de uma maneira crítica, ou não elogiar demais os outros jogadores brasileiros. Assim, o genial passe de Neymar para o homenageado, por entre as pernas do zagueiro romeno, não mereceu nenhum adjetivo.

Muito acima do peso – o que, parece, será um karma que o acompanhará para o resto da vida –, Ronaldo esteve em campo por 17 minutos, nos quais, mesmo ajudado pelos companheiros, principalmente por Neymar e Robinho, não conseguiu marcar o gol.

Uma prova de que uma parte da imprensa esportiva enxerga o que quer, o UOL definiu assim a participação de Ronaldo: “o Fenômeno chutou melhor que o badalado Neymar. E foi o único nome ovacionado antes, durante e depois dos 16 minutos em que ficou em campo.”

Ora, se as pessoas foram lá para ver sua despedida da Seleção, é porque são seus fãs e, obviamente, o ovacionariam. E se acertou mais o gol (duas vezes) é porque recebeu passes embaixo das traves. Não houve mérito algum em acertar o gol. A obrigação era mandar a bola para o fundo das redes.

Enfim, foi a despedida de futebol mais patética que já vi de um jogador – que há seis meses era profissional e hoje perderia a posição pra mim, que tenho 58 aninhos. Será que só eu achei o estado físico de Ronaldo preocupante? Ele que cuide mais da saúde. Tem uma família para cuidar…

Elano vai pra reserva da Seleção. Precisa melhorar!

Depois da má atuação contra a Holanda, em que saiu vaiado de campo, Elano não jogou ontem, substituido por Elias. Sou obrigado a reconhecer que a Seleção melhorou sem Elano, que tem se mostrado lento e fora de forma.

Espero que ele, decisivo nas finais dos Campeonatos Brasileiros de 2002 e 2004, perceba a grande oportunidade que terá pela frente nos jogos contra o Peñarol, e se prepare convenientemente para estas partidas que podem ser as mais importantes para o Santos nestes últimos 49 anos.

Mano libera Neymar, Elano e Ganso para as finais da Libertadores

Mesmo sem ter recebido ainda o pedido da diretoria do Santos, o técnico Mano Menezes anunciou ontem que liberará Neymar, Elano e Ganso para defenderem o Alvinegro Praiano na decisão da Copa Libertadores. Ao contrário dos outros convocados, que terão de se apresentar dia 20 deste mês, no Rio de Janeiro, os santistas só se juntrão à Seleção três dias dias, em Buenos Aires.

“O Santos não fez nenhuma solicitação ainda e costumamos esperar por isso. É óbvio que temos um representante brasileiro e é bem provável que o Santos queira os jogadores. Se quiser, nós vamos liberá-los. Esperamos que sejam campeões (da Libertadores) e depois os levaremos para que sejam campeões da América na edição da Argentina”, disse Mano Menezes.

Ainda bem. Só faltava impedir que os três jogassem a final da Libertadores por uma questão de dias. E ainda bem que estes amistosos contra Holanda e Romênia não machucaram Neymar e Elano, que seriam perdas sentidas na difícil decisão contra o Peñarol, dias 15 e 22 deste mês.

Reveja alguns momentos de Brasil 1, Romênia 0:

http://youtu.be/E1-OoSPFh9g

Você também não ficou feliz de os santistas sairem ilesos desses amistosos da Seleção? E Elano, será que voltará a jogar seu melhor futebol nessas finais da Libertadores?