O técnico Muricy Ramalho, que entende de Campeonato Brasileiro como poucos, já percebeu que, do jeito que a coisa vai, o Santos não será campeão nacional. Obrigado a jogar com reservas, em quatro rodadas o time já está a sete pontos do líder, o São Paulo, e a situação tende a piorar.

Neymar, Paulo Henrique Ganso e Elano passarão um mês disputando a Copa América; Zé Eduardo, Maikon Leite, Keirrison e Alan Patrick estão de saída para outros clubes; Danilo e Alex Sandro (e talvez Felipe Anderson e Tiago Alves) devem ser convocados para o Mundial Sub-20. Ou seja, o time pode perder de nove a 11 jogadores no mesmo período.

Como quase todos os desfalques serão de jogadores de ataque, o diretor Pedro Nunes Conceição me disse que é para este neste setor que o Santos procura reforços. Recentemente, Richely, Roger e Borges foram contratados. Porém, apenas Borges veio para ser titular absoluto. Os outros dois são as chamadas apostas, que têm menos de 50% de chances de dar certo.

Como contratar sem dinheiro

Que o time precisa de reforços, não há dúvida, mas não se pode esquecer que a situação financeira do clube não é um mar de rosas. Muitas dívidas foram simplesmente roladas e, se a receita aumentou com a nova gestão, as despesas cresceram mais ainda. E a prioridade, ao menos nessa janela de transferências, é tentar criar condições de se manter os astros Neymar e Paulo Henrique Ganso.

Alguns leitores dão sugestões de como o clube poderia agir nesse momento para enxugar suas despesas e ao mesmo tempo conseguir alguma verba para contratações. Em primeiro lugar, dizem, o Santos poderia emprestar, vender, ou simplesmente dispensar boa parte de seus jogadores. E, com o dinheiro economizado, trazer poucos e bons.

Por mais que tenhamos ficado satisfeitos com o empate com o Cruzeiro, a verdade é que a maioria dos jogadores que vestiram a camisa do Santos, ontem, não merecem, ao menos no momento, serem sequer reservas do Alvinegro Praiano.

O futebol é dinâmico. Não dá para esperar eternamente que um jogador desencante. O torcedor já percebeu que muitos dos que atuaram ontem – como Rodrigo Posebon e Charles, por exemplo – são moitas de onde não sairão coelhos. É bobagem insistir. É desperdício continuar pagando salários para jogadores que nada acrescentam.

Não digo que sejam totalmente desqualificados. Talvez fossem titulares e importantes em agremiações de pretensões mais limitadas, como as da Série B e mesmo algumas da Série A do Brasileiro. Então, que sejam vendidos, trocados ou dados a estas equipes. Mas que não onerem mais o caixa do Santos.

Por que abrir mão do Campeonato Brasileiro?

O santista está empolgado com a possibilidade de conquista da Copa Libertadores. A chance, realmente, é no mínimo de 50%, apesar da força e da personalidade do adversário. Porém, não se pode esquecer que haverá, ainda, um semestre inteiro pela frente até o final do ano, período em que estará sendo disputado o campeonato mais importante do País.

Em 2003 o Santos também era considerado o melhor time do Brasil, pois tinha sido campeão brasileiro de 2002 e, um ano depois, seus jovens jogadores estavam mais amadurecidos. Porém, nenhum título foi conquistado naquela temporada: a Libertadores e o Brasileiro bateram na trave e, no Paulista, a equipe sequer chegou à final.

Neste 2011 o Santos tem grande possibilidade de repetir o ano perfeito e histórico de 1962, mas para isso é preciso planejamento, ousadia, agilidade e firmeza. Muricy deve ter percebido as indecisões da diretoria e por isso reclamou, ontem, com toda a razão.

No ano passado, depois de um primeiro semestre brilhante, o clube abriu mão do segundo, ao deixar o time sob o comando do técnico interino Marcelo Martelotte durante o Campeonato Brasileiro, e não contratar um substituto à altura de Paulo Henrique Ganso, que se machucou seriamente. A torcida teme que isso se repita este ano.

Mesmo sem muitos recursos, estou certo de que dá para garantir um time competitivo em julho, apesar dos desfalques já previstos devido à Copa América e ao Mundial Sub-20. Para isso, porém, é preciso que a diretoria deixe a decisão da Libertadores para os jogadores e a comissão técnica e trabalhe rápida e intensamente para impedir que o Santos passe outro segundo semestre a ver navios.

E você, o que sugere para que o Santos reforce o time, mesmo sem muito dinheiro em caixa? Porpor a troca de jogadores seria uma boa?