Está acontecendo algo estranho. Santos e Peñarol estão conscientes de que o destino os colocou em um raro momento histórico, o de reviver a era de ouro do futebol, em que Coutinho, Pelé e Pepe rivalizavam com Joya, Spencer e Pedro Rocha pelo domínio do continente. Mais do que rivais, parecem parceiros. Há um verdadeiro encantamento dos uruguaios por chegar a esta final. Não só porque faz muito tempo que o Peñarol não volta a brilhar, mas porque a decisão será contra o Santos.

Assisti a uma entrevista do técnico Diego Aguirre após a classificação contra o Vélez e ele estava exausto e extasiado. Parecia não acreditar no sonho que estava vivendo. “Enfrentamos a potencias e os tiramos a todos para afuera”, disse, recostado no sofá do hotel. E completou dizendo como era importante reviver um confronto histórico com o Santos, que, segungo ele, “será muy difícil”.

De fato. O Peñarol sentiu várias vezes o gosto da eliminação, mas sempre deu a volta por cima. O time estava fora quando o Inter marcou o primeiro gol em Porto Alegre, mas conseguiu virar para 2 a 1. O jogo ia para os pênaltis no Chile, contra o Universidad Católica, quando os uruguaios diminuíram para 2 a 1, no final, e garantiram a vaga; e contra o Vélez Sarsfield, como explicar o escorregão e o pênalti perdido pelo “Tanque” Santiago Silva?

Milagre? Destino? Será que alcançar a final fará com que o time uruguaio se dê por satisfeito e não ofereça grande resistência ao Santos? Não creio. Acho que agora que sabem do que são capazes, de que todos os obstáculos podem ser superados, talvez se tornem ainda mais perigosos.

Que o Santos se motive para esta decisão como toda a vontade e atenção como se fosse enfrentar o Barcelona. O desdém dos adversários foi uma arma que os uruguaios souberam usar muito bem. Que Muricy Ramalho saiba preparar o time para não se deixar enroscar por essa armadilha.

Reveja o jogo que mudou a sorte do Peñarol nesta Libertadores. Repare como o Internacional não teve tranqüilidade para definir a partida, enquanto os uruguaios jogaram com muita vontade:


http://youtu.be/mxlOhdCno4c

Se você fosse Muricy, o que diria aos santistas sobre o Peñarol?