O torcedor acredita que Neymar será decisivo hoje como Ganso foi no dia 14 de abril

Sinto que todo santista com quem falo está sofrendo a angústia da espera, como se o jogo de logo mais com o Cerro Porteño fosse a fronteira entre o céu e o inferno, entre o sonho de uma decisão mundial com o Barcelona de Messi e a volta, cabisbaixa, a um sem graça Campeonato Brasileiro.

Não minto que também estou tenso, como se tudo o mais não tivesse importância e a vida e a felicidade dependessem do que vai acontecer em Assunção. É difícil definir, mas o que seria esse torcer por um time de futebol que toma conta de nossos pensamentos e de nossas emoções?

Para mim, hoje, torcer é dividir responsabilidades, é me colocar ao lado dos jogadores, é abandonar a postura crítica do analista e entrar com eles em campo, brigar pela bola, tentar as jogadas, buscar o resultado e a classificação com toda a força do corpo e da alma.

É muito fácil ser o torcedor apenas do abraço, da festa, da comemoração. É muito cômodo, após um resultado ruim, tornar-se um crítico frio e cruel, como se não tivéssemos nada a ver com isso, como se pudéssemos viver sem o Santos e suas vitórias e derrotas (Não, não podemos. Não adianta negar).

É muito fácil apontar os dedos para os culpados de nossa dor, como se disséssemos: vocês não tinham o direito de nos fazer sofrer. Mas este caminho, o fácil, deve ser evitado, pois nele não se encontrará sentimentos ou atitudes que prestem, que engrandeçam o ser humano.

Hoje, mais do que crítico, sou um santista. E acredito na capacidade e na força de superação de todos os jogadores que entrarem em campo com a camisa sagrada do Alvinegro Praiano. Todos, não importa quais sejam. Este amparo invisível, que brota do peito de cada torcedor, dará a força necessária aos nossos jogadores.

A lógica está a favor. Ela indica que o Santos sairá classificado desta batalha renhida, disputada do primeiro ao último minuto. Mas, todos sabemos, para o futebol a lógica é apenas mais um detalhe. Para que ela prevaleça, é preciso jogar a cada vez como se o título estivesse em jogo.

E essa determinação das duas equipes de entrar em campo tão motivadas é que garantirá um espetáculo inesquecível. Bem-aventurados os santistas, que torcem para um time que lhes proporciona momentos de tanta intensidade. Somos privilegiados de poder viver um momento assim.

Que nossos jogadores sejam felizes hoje!

O meu é esse. Qual é o seu sentimento para o jogo de hoje?