A Seleção Brasileira ser eliminada logo na primeira fase da Copa América tem um lado muito bom: Neymar, Paulo Henrique Ganso e Elano voltariam para casa, onde têm carinho, tranqüilidade e compreensão para jogar pelo Santos. Mas tem um lado péssimo, que é a grande possibilidade de Ricardo Teixeira convidar Muricy Ramalho para o cargo de Mano Menezes, desfalcando terrivelmente o Santos.

Por isso, vamos ajudar o técnico da Seleção a melhorar o rendimento ofensivo. Digo ofensivo porque na defesa não há o que mexer. Está até boa demais para os ataques fragílimos dos países sul-americanos.

Pois bem, então vamos arrumar esse time do meio-campo para a frente. Alguém tem de sair e alguém tem de entrar? Grosso modo, não. A formação que começou o jogo contra a Venezuela – com Ramires, Ganso, Neymar, Robinho e Pato – dominou o jogo amplamente por pelo menos 15 minutos e criou boas chances. Por que modificá-la?

Querem o Lucas, do São Paulo? Está bem, que o experimentem desde o início do jogo. Mas é um jogador que depende de espaço para dar suas arrancadas, não tem o drible curto, como Robinho, nem é cerebral, como Neymar. Lucas é explosivo, como foi Jairzinho e, em menores proporções, Viola. Bem marcado, passará o jogo todo dando trombadas.

Trocar “os pontas” Neymar e Robinho seria ideal

No Santos, quando lá na esquerda as coisas estão encalacradas, com até três jogadores em cima dele, Neymar costuma cair pela direita e ali encontra espaço para suas jogadas. Por outro lado, Robinho, que Mano Menezes escala pela direita, se sai melhor quando atua pela esquerda. Por que, no transcorrer do jogo, não permitir que troquem de posições? Só isso já bagunçará o sistema de marcação do adversário e, estou certo, poderá definir as partidas.

Ramires corre demais com a bola, mas é mais participativo do que Elano; Ganso está sem a mesma agilidade de antes da última contusão, mas merece ser titular com uma perna só; e Pato está se revelando um grande centroavante. É só ter paciência e dar um pouco mais de tempo aos três.

O futuro de Neymar

O presidente do Real Madrid disse que Neymar “só” vale 15 milhões de euros. Ótimo. Adorei essa notícia. Por outro lado, o presidente do Barcelona jantou com o pai de Neymar. Isso já preocupa mais. Não é hora de Neymar sair do Brasil. Há uma verdade que a Seleção está deixando evidente: o Santos é o time em que Neymar joga melhor, pois se sente amado.

Clube que cultua o talento jovem, o Alvinegro Praiano tem uma paciência infinita com seus garotos. Neymar sabe que, no time de Vila Belmiro, ele nunca será substituído, sempre terá uma oportunidade de decidir a partida. Na Seleção, que tenta fingir que ele não é essencial, sua posição pode ser contestada e uma simples jogada em que preferiu não chutar a gol pode virar pretexto para uma cruzada contra o “enfeitamento de jogadas”.

Ora, entre o Galvão Bueno, que não consegue nem andar em campo, e o Casagrande, que só marcava gols de cabeça, e mesmo assim de vez em quando, entre os dois e Neymar, que faz gols chutando até entre as pernas do adversário, quem sabe melhor a hora certa de bater a gol?

Qualquer um que narre e comente os jogos pela Globo, que detém o monopólio das transmissões da Seleção Brasileira, teria esse poder de influenciar a opinião pública. Mesmo que só dissessem asneiras, o que, talvez, seja o caso. Percebe-se que o comentário insistente de Casagrande foi recebido com prazer pelos que não gostam de Neymar e pelos comentaristas esportivos do baixo clero, que, sem opinião própria, repercutem o que a Globo diz.

Se eu fosse o Neymar, que é um santo fora de campo, eu só responderia: “Está bem. Então entrem lá e me mostrem como eu tenho de fazer” (mas, para ser educado, ele responderá que da próxima vez tentará bater de primeira).

Para terminar, eu só direi o seguinte: o craque tem de jogar onde quiser e do jeito que quiser. Quando Pelé se machucou e não pôde mais atuar na Copa de 1962, no Chile, o único que poderia decidir o campeonato para o Brasil era Garrincha. Pois o genial Mané assumiu isso com liberdade total. Jogou na parte do campo que quis, fez gol de cabeça, de esquerda, fez o diabo, e deu o título ao Brasil.

Agora é hora de parar com as frescuras com o Neymar. É um garoto de 19 anos, mas tem de ser tratado como o maior jogador brasileiro do momento, o único que pode salvar esta Seleção e impedir que o Muricy seja convidado para substituir Mano Menezes. Então, senhores especialistas, deixem o garoto em paz!

Como o Brasil deve jogar para que Mano Menezes não seja substituido por Muricy Ramalho?