Blog do Odir Cunha

O ombudsman do Santos FC

Month: agosto 2011 (page 1 of 8)

Uma discussão sobre a grandeza do Santos

Estou em Santos, onde amanhhã eu e o jornalista Igor Ribeiro daremos o segundo dia de oficinas de texto da Revista Imprensa no jornal A Tribuna. No táxi até o hotel, vim conversando com o motorista, santista roxo. Perguntei-lhe o que achava dessa eterna questão que é jogar na Vila Belmiro ou no Pacaembu.

– O Santos tem de jogar sempre na Vila. O Santos é de Santos – disse ele. Eu respondi:

– Mas se na Vila o Santos tiver uma média de público que não lhe permita pagar as contas e um dia o torne um time mediano. Mesmo assim você continuará achando que ele tem de jogar na Vila?

Aproveitei para lhe informar que o Santos tem a antepenúltima média de público entre os 20 times que disputam a Série A do Brasileiro. Ele retrucou que o Alvinegro figurava entre os líderes do pay per view, mas eu o corrigi, pois na última pesquisa o Santos não está nem entre os dez com mais assinaturas.

– Olha, antes eu ia muito aos jogos do Santos – disse ele. – Mas o ingresso foi ficando caro. Para levar a minha mulher, eu gasto no mínimo uns 60 paus. Então, prefiro ir com ela em um bar perto de casa que tem dois telões, um pessoal também vai, a gente come, bebe, e eu não gasto nem metade.

– Mas se você não vai mais à Vila, e assiste pela tevê, então tanto faz onde o Santos joga. Se ele jogar no Pacaembu, você verá pela tevê do mesmo jeito. Por que ele precisa jogar na Vila?

Ele ficou sem resposta.

É claro que o sujeito é bem legal, nossa conversa foi totalmente amistosa, mas ficou claro, para mim, que ele só defendia a tese de que o Santos tem de jogar sempre em Santos porque está mal informado. Além da média de público em casa ser muito baixa, o Santos também não está bem no ranking do pay per view. Ou seja: alguma coisa tem de ser feita, ou a visibilidade ganha no primeiro semestre será perdida rapidamente.

Meu irmão, Marcos Cunha, envia um comentário dizendo que José Maria del Nido, presidente do Sevilha, diz que a distribuição das cotas de tevê na Espanha é uma vergonha e que só dois times ganham: Real Madrid e Barcelona. Bem, isso a Globo quer fazer aqui no Brasil, com a complacência da CBF. Os beneficiados são Flamengo e Corinthians. Já falamos sobre isso aqui no Blog. Preveni pessoalmente o presidente Luis Álvaro Ribeiro, mas nem o Santos, nem nenhum outro clube se rebelou contra o golpe.

Se os clubes tivessem se unido na hora exata, o privilégio não teria sido sacramentado. O que importa para um clube não é ganhar mais dinheiro, e sim se tornar competitivo. De nada adianta o Santos dobrar o seu faturamento, se a distância dele para Flamengo e Corinthians aumentar irreversivelmente?

Parecem duas coisas diferentes, mas a decisão de melhorar sua média de público está ligada à necessidade de receber uma cota maior de tevê. O Santos tem de enfrentar esses problemas e não empurrá-los com a barriga. Depois, pode ser tarde.

Se quer jogar na Vila, que promova mais os jogos, reduza o preço dos ingressos, enfim, faça alguma coisa para ter a casa sempre cheia. Disputar um clássico contra o São Paulo, com Neymar, Ganso & Cia, e não encher o estádio, é lastimável. Do contrário, que marque mais jogos para o Pacaemnbu. O que não dá é para ter uma média de público pior do que o Figueirense.


Último gol de falta do Santos vai comemorar 5 meses. Dá pra acreditar?

Os leitores fizeram as contas: o último gol de falta do Santos foi marcado por Elano na vitória de 3 a 2 sobre o Colo Colo, na Vila Belmiro, em dia 6 de abril, ou seja, há quase cinco meses. Acho que isso explica boa parte das dificuldades que o time vem enfrentando no Campeonato Brasileiro. Surgem as faltas na entrada da área, algumas são aquelas chamadas “meio gol”, e nada de um jogador colocar pra dentro.

Como vocês sabem, outro dia falei com o Pelé e ele disse que hoje os jogadores parecem industriais, altos executivos, pois mal acaba o treino e vão embora. Ninguém fica treinando cobrança de faltas, pênaltis, jogadas ensaiadas. Só pode ser falta de treino esse aproveitamento tão ruim nas faltas.

Ora, se não dá para colocar por cima ou do lado da barreira, mete a bomba, pô! Assim Pepe, “O Canhão da Vila”, resolveu muitos jogos importantes para o Santos, como o segundo contra o Milan, em que marcou dois gols em menos de 20 minutos, com petardos que o goleiro italiano nem viu por onde entrou.

Coutinho, o Príncipe, costumava dizer a Pepe: “Se não tem ângulo, mete na medalhinha do cara. Na próxima ele não vai ficar na frente da bola”. Pois é. Com o chute forte que Durval e Ganso têm, não dá para bater só no toquinho. Tem de encher o pé.

Acho que neste caso a responsabilidade não é só dos jogadores, mas também do Muricy. Ele tem de obriga-los a treinar e precisa administrar os egos. Adoro o Neymar, mas ele não pode cobrar tudo no Santos. Quando foi o seu último gol de falta?

Você não acha que falta um cobrador de faltas para o Santos?


Não foi péssimo para o Santos. Mas poderia ter sido bem melhor

Mesmo com um jogador a mais desde o primeiro tempo, devido à expulsão de Carlinhos Paraíba, o Santos não conseguiu fazer valer seu domínio sobre o São Paulo, na Vila Belmiro, e acabou perdendo a oportunidade de conquistar sua terceira vitória seguida. O empate de 1 a 1, entretanto, não chegou a ser tão ruim, pois só foi obtido no final da partida graças a um chute perfeito de Paulo Henrique Ganso.

Com maior iniciativa desde o início do jogo, o Alvinegro Praiano foi surpreendido por uma grande jogada de Lucas aos 45 minutos do primeiro tempo, quando o São Paulo já tinha um jogador a menos. O rápido jogador do tricolor dominou a bola diante de Durval, deixou Edu Dracena para trás com uma meia-lua e bateu cruzado para vencer o goleiro Rafael, que ainda tocou na bola.

Na segunda etapa o Santos mas deu ao adversário a chance de matar o jogo em dois contra-ataques, defendidos corajosamente por Rafael. O Santos rondava a área são-paulina, mas não criava nenhuma chance clara de gol. Isso só mudou com a saída do confuso Pará para a entrada de Alan Kardec.

Mais decidido do que os jogadores que estavam em campo, logo de cara Kardec sofreu falta perigosa, desperdiçada por Neymar, e em seguida, aos 35 minutos, recuou a bola para Paulo Henrique Ganso acertar um chute perfeito no ângulo de Rogério Ceni, empatando o jogo. O Santos continuou pressionando nos últimos minutos, mas nada mais conseguiu.

A partida deixou evidente, mais uma vez, que o miolo da defesa do Santos tem dificuldades contra um ataque rápido. Lucas penetrou com incrível facilidade para marcar o gol são-paulino. Mostrou também que o Santos precisa de um bom cobrador de faltas. Oportunidades que em outros times seriam quase gols, no Santos não dão nenhum resultado (estou tentando lembrar há quanto tempo o time não faz um gol de falta, e não consigo. Me ajude…).

Mas também aconteceram coisas boas: Ganso se apresentou mais para o jogo e fez um golaço. Alan Kardec melhorou o ataque de novo, como já havia feito contra o Bahia. E Felipe Anderson deu mais opções pela direita. Só precisa caprichar um pouco mais no cruzamento e no chute.

O resultado foi ótimo para o São Paulo, que empatou com um jogador a menos, fora de casa, e ainda diminuiu um ponto a sua diferença para o líder Corinthians. Para o Santos, porém, foi ruim. O sonho de ainda brigar pelo título fica mais distante e a zona de rebaixamento continua próxima.

No duelo entre os jovens craques Lucas e Neymar, o são-paulino foi mais eficiente, ao marcar um belo gol. Neymar fez algumas boas jogadas, perdeu outras, mas não reeditou suas melhores atuações. Ganso foi melhor do que ele. O time sentiu a falta de Arouca.

E você, o que achou de Santos e São Paulo?


Neymar, Ganso, Lucas… O jogão do domingo é na Vila Belmiro!

Com Neymar, Ganso e Lucas, jogadores que deverão ser titulares na Copa de 2014; outros selecionáveis, como Elano, Arouca, Danilo, Casemiro e Rafael; e alguns veteranos de reconhecida categoria, casos de Léo, Rogério Ceni e Rivaldo, Santos e São Paulo fazem hoje, às 16 horas, na Vila Belmiro, o jogo de melhor qualidade deste domingo.

O empate não será bom para nenhum dos dois. Por isso, creio que um deles vencerá. A tendência é de que seja o Santos, que, mesmo na parte de baixo da tabela, tem melhores jogadores do que o São Paulo. Porém, esta garotada do tricolor tem jogado bem e o time está na briga pelo título. Se a decisão depender do técnico, creio que Muricy Ramalho levará vantagem sobre Adilson Batista. Mas é só um palpite…

A vitória, que seria a terceira consecutiva, elevará o Santos a 24 pontos e, como tem um jogo a menos, aumentará a esperança de uma recuperação milagrosa. É como um garoto responde para o amigo quando este pergunta se deve convidar uma garota pra sair: “O NÃO você já tem. O que vier é lucro”. Esta é a situação do Santos neste Brasileiro.

Santos não deve entrar no UFC

Há times de futebol patrocinando lutadores do UFC. Acho que o Santos não deve entrar nessa. Extremamente violento, esse “esporte” pode provocar contusões graves, sequelas e até mesmo a morte. É muito perigoso associar a imagem de um clube que reverencia o futebol-arte a uma modalidade popular, mas que envolve tremendos riscos em todos os sentidos.

Neste aspecto, o plano do marketing do Santos de fortalecer o futebol feminino, de base e o futsal tem muito mais a ver com o espírito do clube. Tirar sangue dos outros não é algo que santista deve comemorar.

Dossiê deverá ser lançado dia 17 de setembro no Museu do Futebol

O Dossiê pela Unificaçãodos títulos brasileiros a partir de 1959 já tem duas datas de lançamentos a serem confirmadas: dias 17 e 19 de setembro, no Museu do Futebol, no Estádio do Pacaembu. O primeiro dia é um sábado e o outro uma segunda-feira. Eu e José Carlos Peres estamos fechando os dois dias para atender a todos os interessados.

O que você espera de Santos e São Paulo? E o Santos patrocinador lutadores de UFC, seria legal ou arriscaria a imagem do clube? Gostou dos dias de lançamento do Dossiê?


Time do dr. Osmar não tem 30 milhões de torcedores nem aqui nem na China

Leitores deste blog me avisaram que o doutor Osmar de Oliveira me cutucou outro dia na tevê por eu ter escrito que o Corinthians não tem 30 milhões de torcedores. Disse que só de ex-jogadores o time dele tem sete milhões. Brincadeiras e paixões à parte, nessa o doutor Osmar pisou feio na bola. Não só o alvinegro da capital, mas nenhum grande clube brasileiro tem realmente a quantidade de torcedores que diz ter.

O erro que se faz é pegar a população brasileira e dividir entre os grandes clubes segundo as porcentagens de algumas pesquisas mequetrefes que são feitas ouvindo meia dúzia de gatos pingados. Para começar, menos da metade dos brasileiros gosta de futebol. E depois, os torcedores dos centros menores cada vez se tornam mais fanáticos pelos clubes locais, deixando de escolher um de Rio e São Paulo, como era comum antes da tevê por assinatura e o pay per view.

É só a gente fazer as contas e reparar nas evidências. Uma pesquisa do IBGE em 2008 concluiu que apenas 43% dos brasileiros gostam de futebol. E em abril do ano passado o Instituto DataFolha anunciou, após outra pesquisa, que 25% dos brasileiros não torcem para time algum.

Dos 195 milhões de habitantes do país, 105 são mulheres, o que, qualquer um sabe, não têm o futebol entre suas maiores preferências (se tivessem, pode ter certeza de que a Globo não jogaria o futebol para depois da novela, e não o contrário).

Outro detalhe importante é que a criança e o adolescente, que antes viviam jogando bola pelas ruas e terrenos baldios, hoje preferem os jogos eletrônicos, os passeios no shopping e outras cositas mais. Mesmo quanto praticam esportes, o futebol não é mais a única opção. E essa garotada representa, na faixa de 0 a 16 anos, um total aproximado de 50 milhões de pessoas.

Há ainda os idosos, que de 55 anos ou mais somam 29 milhões de pessoas e são 14 milhões se contarmos apenas a faixa de 65 anos pra cima. Convenhamos que a maioria deles não são entusiasmados com o futebol. Quantos torcedores acima de 65 anos você vê nos estádios?

Tire as crianças e adolescentes de 0 a 16 anos (que nem são ouvidos em muitas pesquisas); tire no mínimo 70% das mulheres (considerando-se, otimisticamente, que 30% delas gostam de futebol e têm um time) e tire ainda 70% dos idosos com mais de 65 anos e chegaremos a um total de 64 milhões de pessoas.

Digamos que este é o montante de reais torcedores de futebol do Brasil. Como este cálculo não é preciso, mas aproximado, digamos que ele está muito defasado e que o número correto seja 50% maior, ou cerca de 90 milhões de pessoas. Acho muito, mas analisemos com base nele.

Mesmo que esses 90 milhões fossem divididos entre os 20 clubes da Série A, seria bastante improvável que apenas um clube tivesse 33% do total, até porque não é, reconhecidamente o que tem a maior torcida.

Mas não há apenas os clubes da Série A. A Série B tem equipes bastante populares, como o Sport de Recife, com média superior a 16 mil espectadores por partida; o Goiás, com média superior a 13 mil, e o Vitória/BA, com mais de sete mil.

Há ainda a Série C e a D, isso só para ficar nas divisões do Campeonato Brasileiro. E mesmo na distante Série D ainda encontraremos times com médias de público superiores a alguns da Série A, como o Santa Cruz (mais de 42 mil pessoas por jogo), Alecrim (mais de 13 mil) e Itumbiara (mais de 10 mil).

Cada time desses tem sua torcida, que o ama acima de todos os outros times do Brasil. E veja que estamos falando apenas de clubes que disputam séries do Brasileiro. Muitos outros competem apenas em campeonatos estaduais, mas mesmo assim têm os seus torcedores fieis.

Números interessam aos marqueteiros

É óbvio que superdimensionar o tamanho das torcidas é bom para o marketing dos grandes clubes, que podem cobrar mais pelo patrocínio de camisa, entre outros. Porém, se alguns clubes tivessem tantos torcedores como dizem ter, dariam um retorno muito maior aos seus patrocinadores e venderiam muito mais produtos com sua grife.

No ano passado, mesmo valorizado pelo título brasileiro do ano anterior, o Flamengo vendeu apenas 66.552 camisas, enquanto o Santos, que segundo alguns deveria ter uma torcida infinitamente inferior, venceu 39.764, ou 60% do total alcançado pelo rubro-negro.

O Corinthians vendeu 62.299 camisas, apenas 25% a mais do que o Palmeiras. Se tivesse mesmo o absurdo de 30 milhões de torcedores, o alvinegro da capital teria de vender, no mínimo, 500 mil camisas por ano.

O ibope da tevê também não confirma esses números

Se o alvinegro do doutor Osmar tivesse mesmo tantos torcedores e se fossem realmente tão fieis como apregoam, por que Santos e Táchira levaria mais público ao Pacaembu do que Corinthians e Tolima? E por que o recorde de audiência do ano seria o jogo do Santos contra o Peñarol?

Nem nas maiores audiências do futebol na tevê há 30 milhões de pessoas vendo uma partida. Ou metade dos corintianos não está vendo seu time jogar, ou, o que é mais plausível, eles não existem. Assim, continuo afirmando que para bater com os números concretos do mercado brasileiro de futebol, é impossível aceitar que um time, qualquer que seja, tenha uma torcida de 30 milhões de pessoas. Nem o Corinthians, nem o Flamengo têm isso.

Poiis veja que se o Corinthians tivesse realmente 30 milhões, o Flamengo teria de ter, no mínimo, 35. E só aí já teríamos 65 milhões de brasileiros. Sobrariam apenas 25 milhões para todos os outros clubes? Ah, fala sério meu caro amigo Osmar de Oliveira. Pode parar…

A diferença dos dois protegidos da mídia para os demais é menor do que se imagina. O correto é aceitar que tenham entre sete e dez milhões cada um. Pois não podemos nos esquecer de que para completar esses 90 milhões de torcedores que são o público do futebol brasileiro, ainda temos os aficionados de Santos, São Paulo, Palmeiras, Vasco, Fluminense, Botafogo, Cruzeiro, Atlético/PR, Grêmio, Internacional, Bahia, Sport, Náutico, Avaí, Coritiba, Figueirense, Paraná, Criciúma, Santa Cruz, Portuguesa, Vitória/BA, Goiás, Vila Nova/GO, Ponte Preta, Guarani, ABC, Alecrim, Botafogo/SP, Comercial/SP, América/RJ, Nacional/MA, Atlético/GO, Remo, Paysandu, Tuna Luso, Sampaio Correa…

E você, acha que tem time brasileiro com 30 milhões de torcedores?


Older posts

© 2017 Blog do Odir Cunha

Theme by Anders NorenUp ↑