O time que mais fez gols na história do futebol não sabe se ataca ou defende. Parece estar em crise existencial. Ontem, puxou o cobertor para a cabeça e descobriu os pés. Borges fez dois gols e o time criou outras oportunidades, mas o Coritiba não perdeu a confiança de que poderia vencer na Vila Belmiro e conseguiu, com méritos.

A verdade é que o Alvinegro Praiano parece estar à beira de um ataque de nervos. Mesmo duas vezes em vantagem no marcador – 1 a 0 e 2 a 1 –, nunca pareceu controlar o jogo. Nem falo do pênalti desperdiçado por Borges, quando o jogo estava 2 a 2, pois o Santos tem mais perdido do que convertido pênaltis.

Deu para perceber que o time estava apavorado. Os atacantes avançavam com sofreguidão, como se quisessem fazer vários gols em um único ataque, enquanto a defesa parecia perdida. Ninguém estava tranqüilo. Cinco santistas levaram cartões amarelos e dois foram expulsos – Pará e Edu Dracena.

Borges fez os gols, mas Neymar foi o único atacante que realmente criou alguma coisa lá na frente. Ganso tentou jogar, mas não conseguiu. Já estou começando a duvidar que um dia voltará a atuar como antes da cirurgia no joelho. Parece que lhe falta confiança.

No finalzinho, mesmo com um jogador a menos, todo mundo avançou e o Coritiba ganhou de presente um contra-ataque com quatro jogadores contra apenas um do Santos. À feição para Léo Gago desempatar. Uma cena muito estranha e difícil de se ver em um time profissional…

Índice de 33% é de time rebaixado

Com 15 pontos em 15 jogos o Santos tem apenas 33% de aproveitamento, índice inferior ao de muito time já rebaixado. Em 2008, por exemplo, ano em que se salvou em cima da hora com aquele gol espírita de Quiñonez contra os reservas do Internacional, o Santos ficou apenas duas posições acima da zona do descenso, com 39% de aproveitamento.

Dois times rebaixados em 2008, Figueirense, com 38%, e Vasco (35%), tiveram rendimentos superiores ao que o Santos está tendo em 2011. Em 2009, o Coritiba caiu com 39%. No ano passado, o Vitória foi para a Série B com 37%.

Para que não corra maiores riscos de ser rebaixado, seria ideal que o Santos conseguisse um índice de 40% ou mais este ano. Para chegar a 41%, por exemplo, teria de atingir 47 pontos, o que o obrigaria – para não depender de resultados no campo do adversário – a vencer todos os jogos que fizer em casa.

Time perdeu mais com os titulares do que com os reservas

O curioso da performance deste Santos é que o time ganhou 11 pontos nos oito jogos em que utilizou reservas, e apenas quatro pontos depois que teve a volta de Neymar, Paulo Henrique Ganso e Elano, que serviam à Seleção Brasileira.

Desde que o trio de astros voltou, auxiliados pelos contratados Ibson e Henrique, o Santos fez sete partidas, das quais perdeu cinco, empatou uma e venceu apenas uma, o 1 a 0 sobre o Ceará.

Perspectivas para o Mundial são sombrias

Mesmo o santista mais fanático está prevendo um desastre no Mundial da Fifa, pois enquanto o Barcelona está voando baixo, o Santos não consegue vencer nem jogando em seu campo (aliás, os jogadores reclamam que não se sentem em casa no Pacaembu, mas perdem muito mais quando o clube manda o jogos na Vila).

O certo é que nesta fase a equipe está voltando a escancarar as mesmas falhas de antes da Libertadores. Ontem, o ataque fez e a defesa desfez. Sem uma super proteção dos volantes, a dupla de zaga Edu Dracena e Durval falha, e várias vezes na mesma partida.

Sei que vão dizer que ainda é cedo, mas confesso que não entendi as contratações de Henrique, Ibson e Alan Kardec. Acho que o time era melhor quando Muricy não tinha essas “opções”.

O time também era muito melhor com Jonathan, que foi embora, e Danilo, na Seleção sub-20. Ganso, que eu já considerei um super craque, não está fazendo diferença alguma. Ou desaprendeu, ou não tem firmeza nos joelhos operados, ou está com preguiça, ou espera ansiosamente uma proposta milionária para ir para a falida Europa. Só que jogando assim, sabe quando algum clube se disporá a pagar sua multa?

Enfim, o quadro é preocupante. Aguardemos as decisões da diretoria…

E você, o que achou da derrota de ontem para o Coritiba?