Primeiro, o presidente do Real Madrid disse que Neymar não valia nem 15 milhões de euros. Depois, usou José Mourinho para pedir ao jogador santista que vá jogar lá. Em seguida, ameaçou processar Neymar em 100 milhões de euros se este não for defender o Real Madrid. Ao mesmo tempo, Cristiano Ronaldo afirmava que o Real não precisa de mais atacantes. Diante de tudo isso, que ambiente esperaria Neymar se ele resolvesse jogar no clube espanhol?

Dizem que os espanhóis, ajudados por Wagner Ribeiro e Ronaldo Macário, aproveitarão a ida de Neymar para a Seleção Brasileira a fim de pressiona-lo para assinar com o Real Madrid. É claro que o ambiente será todo favorável aos aliciadores, pois a CBF abre suas portas para os empresários estrangeiros. Aos que querem continuar a ver Neymar jogando no Brasil, só restará torcer por mais uma atitude corajosa do determinado craque santista.

Confesso desde já que me sentirei decepcionado se Neymar sucumbir à proposta dos espanhóis. Acredito que o maior poder que um homem pode demonstrar diante do poder do dinheiro é não precisar dele para ter poder. E Neymar não precisa. Neymar está vendo que Ronaldinho Gaúcho reencontrou a alegria de jogar futebol no Brasil. Não teria sentido o Menino de Ouro fazer o caminho inverso apenas para agradar aos seus “amigos” ou para realizar um sonho de infã ncia que não corresponde mais à realidade.

Lá ele será cercado por um ambiente hostil e competitivo, que se voltará contra ele depois dos primeiros resultados ruins. E eles virão, porque este Real não tem como superar o Barcelona. Outro detalhe é que as promessas de pagamento podem ficar no papel, pois a Espanha entrará em uma crise sócio-econômica parecida à da Grécia e os clubes de futebol não estarão livres dela. Hoje, trocar o Santos pelo Real Madrid é deixar o certo pelo duvidoso.

Elano, Arouca, Ibson, Leandro Silva, Henrique e Alan Kardec

Revi o jogo contra o Ceará com atenção e desta vez acho que Elano não foi mal. Mais disposto, menos errático, ele participou das três melhores jogadas ofensivas do Santos, deixando Arouca duas vezes na cara do gol e acertando um belo chute de esquerda que só não entrou devido à grande defesa do goleiro.

O incansável Arouca, por sua vez, provou que além de ser o melhor volante, é também o melhor lateral-direito que o Santos pode ter. Incrível como se adaptou bem à posição que era do estreante Leandro Silva. Arouca marcou e apoiou com uma precisão espantosa. Creio que sua atuação na lateral reforçou seu nome para futuras convocações da Seleção Brasileira, pois curingas têm a preferência.

Por outro lado, Ibson é o tipo de jogador que ainda não encontrou sua posição no time. Aliás, tenho sérias dúvidas se vai encontrar. Não sei exatamente por quanto o Santos o contratou, nem ao certo quanto é seu salário, mas já digo que foi muito caro e ganha muito.

Dói em mim afirmar isso depois de apenas quatro jogos, mas a verdade é que Ibson me parece um jogador comum. Bem comum, aliás. Talvez consiga jogar bem uma partida ou outra, mas nem sei se conseguirá firmar-se como volante, pois não marca tão bem quanto Adriano. E também não é um bom meia, pois perde a bola muito facilmente e não tem um bom passe.

Analisar Leandro Silva depois do que jogou ontem é até covardia. O rapaz foi péssimo. Em menos de 30 minutos tinha levado o cartão amarelo e só não foi expulso porque Muricy o substituiu antes. Como Alan Kardec foi uma contratação sem nexo, acho que das cinco cartas que poderia utilizar, por enquanto só se pode dizer que o Santos só ficou com uma boa (Borges), uma que pode dar jogo (Henrique) e três que, mais dia, menos dia, terão de ser descartadas. AH, COMO EU GOSTARIA DE SER CONSULTADO ANTES DA DIRETORIA FAZER ESSAS CONTRATAÇÕES!!! (Só se o Alan Karced for especialista em gol espírita!).

O tudo ou nada na quarta-feira

Há derrotas que o santista até aceita. Porém – Muricy e os jogadores devem estar carecas de saber –, perder quarta-feira, mesmo sem Neymar e Ganso, seria o ó do borogodó. Na verdade, a única ausência sentida será a de Neymar, já que Ganso tem jogado abaixo da crítica.

Com o elenco que tem, e diante de sua torcida – que na quarta-feira tem a obrigação de comparecer em massa! – a vitória, mesmo que por meio a zero, será um resultado para retornar o time na trilha do sucesso, ou ao menos da esperança. Uma derrota para o alvinegro da capital certamente faria cabeças rolarem. Não a do técnico, que tem muito crédito, mas de titulares que não andam correspondendo à confiança do técnico, dos companheiros e dos torcedores.

Uma visão crítica sobre o time para o Mundial

Não sei se foi isso, mas a vitória na Libertadores pode ter dado a alguns jogadores do Santos a sensação de que já garantiram o direito de disputar o Mundial no Japão. Para mim,. entretanto, ninguém deve se julgar com lugar cativo.

Quem não estiver correspondendo, deve ser substituído. Não dá para manter no time jogadores que estão rendendo muito pouco apenas porque ajudaram o time a ganhar o título sul-americano.

Ainda faltam quatro meses para o Mundial e quem não mantiver um alto rendimento até lá, deverá ser descartado. Não dá para enfrentar competição tão importante com jogadores desmotivados e fora de forma. Dá?

O que você acha disso tudo?