Painel para a imprensa no salão nobre do Fluminense, em 07/04/2009, realizado duas semanas depois do painel no salão nobre do Palmeiras. Vivia-se a fase de divulgação do Dossiê.

Outro dia, conversando com um comentarista do Sportv, ele me disse que eu o desculpasse, mas ele tinha a opinião de que a Unificação dos Títulos Brasileiros a partir de 1959 não valeu e que ele continuaria a considerar os campeões brasileiros apenas a partir de 1971. Perguntei se ele tinha pesquisado, ou lido, sobre a Taça Brasil e o Torneio Roberto Gomes Pedrosa. Não. Perguntei se tinha conseguido ler o Dossiê. Não. Fiz ele me prometer que leria o Dossiê, quando fosse publicado e que só expressaria publicamente sua opinião depois de lê-lo. Ele prometeu. Menos mal.

Há poucos instantes, quando os primeiros exemplares impressos pela StilGraf chegaram às mãos deste autor, em meio à emoção de ver um longo trabalho materializado, separei com carinho o livro deste jornalista que é contra a Unificação sem saber porquê. A paciência e a persistência que levaram a mim e o parceiro José Carlos Peres a superar os obstáculos e conseguir o justo reconhecimento dos títulos brasileiros, agora são necessárias para difundir a Unificação.

Ao menos este jornalista do Sportv demonstrou a essencial e necessária humildade para conhecer o assunto antes de voltar a dar sua opinião sobre ele – atitude que, infelizmente, ainda é rara em muitos dos profissionais que trabalham em nossa imprensa esportiva.

A necessidade da publicação do livro

Se minha intenção e a do Peres fosse apenas a de conquistar o reconhecimento dos títulos brasileiros a partir de 1959, o trabalho já poderia ter sido dado por encerrado. Pois a documentação que oficializa os vencedores da Taça Brasil e do Torneio Roberto Gomes Pedrosa como campeões brasileiros já foi chancelada e faz parte, de maneira irreversível, dos anais da CBF, Conmebol e Fifa.

Porém, a finalidade deste trabalho é resgatar a história definitivamente, fazer justiça aos campeões brasileiros na fase de ouro de nosso futebol. Isto não se consegue só com um documento assinado e carimbado, mas com o respeito e aceitação da maioria da comunidade futebolística brasileira. Por isso, tornou-se imprescindível que o grande público do futebol também tivesse acesso ao Dossiê – documento que, em princípio, foi impresso apenas para os dirigentes dos clubes campeões e das entidades que comandam o futebol.

Uma nova tarefa: a difusão do conhecimento

O trabalho para transformar em direito aquilo que era um fato já foi realizado. Agora vem a nova etapa, com a qual gostaríamos de contar com todos os torcedores que respeitam a história. Mas, sabemos, ao menos neste início só poderemos ter a ajuda de aficionados de Santos, Palmeiras, Cruzeiro, Fluminense, Bahia e Botafogo, clubes que tiveram seus títulos brasileiros validados.

Uma pena que a paixão influa no reconhecimento da história, que deveria pairar acima dos fanatismos clubísticos. Porém, já que é assim, que ao menos os torcedores dos seis clubes campeões nos ajudem nessa cruzada pela difusão desde conhecimento essencial para a compreensão da evolução dos campeonatos nacionais no Brasil.

Uma obra bela e histórica, a preço de custo

Conseguimos, Peres e eu, com a ajuda importantíssima do editor de arte Marcos Magno, que o livro do Dossiê se tornasse uma obra bela, simples, robusta e – que pudesse, ao menos nesta fase de lançamento, ser oferecida ao público por um preço de custo. Assim, torcedores de todo o Brasil poderão te-lo por um valor cerca de 50% do preço de livraria, e ainda com a vantagem de ser vendido a prazo e com cartão de crédito, pelo sistema PagSeguro.

Quem fez o cadastro neste blog poderá adquiri-lo a partir de amanhã. Os demais terão a sua oportunidade depois que os cadastrados façam o uso de seu direito. Creio que haverá exemplares para todos os interessados. E, se terminarem antes, eu e Peres trataremos de conseguir parceiros para publicar mais e oferece-los a um preço acessível ao amante do futebol.

Avise os amigos, diga-lhes que o Dossiê pela Unificação dos Títulos Brasileiros a partir de 1959, o documento que resgatou a era de ouro do nosso futebol, já saiu do forno. E você, já reservou o seu exemplar?