Leitores deste blog me avisaram que o doutor Osmar de Oliveira me cutucou outro dia na tevê por eu ter escrito que o Corinthians não tem 30 milhões de torcedores. Disse que só de ex-jogadores o time dele tem sete milhões. Brincadeiras e paixões à parte, nessa o doutor Osmar pisou feio na bola. Não só o alvinegro da capital, mas nenhum grande clube brasileiro tem realmente a quantidade de torcedores que diz ter.

O erro que se faz é pegar a população brasileira e dividir entre os grandes clubes segundo as porcentagens de algumas pesquisas mequetrefes que são feitas ouvindo meia dúzia de gatos pingados. Para começar, menos da metade dos brasileiros gosta de futebol. E depois, os torcedores dos centros menores cada vez se tornam mais fanáticos pelos clubes locais, deixando de escolher um de Rio e São Paulo, como era comum antes da tevê por assinatura e o pay per view.

É só a gente fazer as contas e reparar nas evidências. Uma pesquisa do IBGE em 2008 concluiu que apenas 43% dos brasileiros gostam de futebol. E em abril do ano passado o Instituto DataFolha anunciou, após outra pesquisa, que 25% dos brasileiros não torcem para time algum.

Dos 195 milhões de habitantes do país, 105 são mulheres, o que, qualquer um sabe, não têm o futebol entre suas maiores preferências (se tivessem, pode ter certeza de que a Globo não jogaria o futebol para depois da novela, e não o contrário).

Outro detalhe importante é que a criança e o adolescente, que antes viviam jogando bola pelas ruas e terrenos baldios, hoje preferem os jogos eletrônicos, os passeios no shopping e outras cositas mais. Mesmo quanto praticam esportes, o futebol não é mais a única opção. E essa garotada representa, na faixa de 0 a 16 anos, um total aproximado de 50 milhões de pessoas.

Há ainda os idosos, que de 55 anos ou mais somam 29 milhões de pessoas e são 14 milhões se contarmos apenas a faixa de 65 anos pra cima. Convenhamos que a maioria deles não são entusiasmados com o futebol. Quantos torcedores acima de 65 anos você vê nos estádios?

Tire as crianças e adolescentes de 0 a 16 anos (que nem são ouvidos em muitas pesquisas); tire no mínimo 70% das mulheres (considerando-se, otimisticamente, que 30% delas gostam de futebol e têm um time) e tire ainda 70% dos idosos com mais de 65 anos e chegaremos a um total de 64 milhões de pessoas.

Digamos que este é o montante de reais torcedores de futebol do Brasil. Como este cálculo não é preciso, mas aproximado, digamos que ele está muito defasado e que o número correto seja 50% maior, ou cerca de 90 milhões de pessoas. Acho muito, mas analisemos com base nele.

Mesmo que esses 90 milhões fossem divididos entre os 20 clubes da Série A, seria bastante improvável que apenas um clube tivesse 33% do total, até porque não é, reconhecidamente o que tem a maior torcida.

Mas não há apenas os clubes da Série A. A Série B tem equipes bastante populares, como o Sport de Recife, com média superior a 16 mil espectadores por partida; o Goiás, com média superior a 13 mil, e o Vitória/BA, com mais de sete mil.

Há ainda a Série C e a D, isso só para ficar nas divisões do Campeonato Brasileiro. E mesmo na distante Série D ainda encontraremos times com médias de público superiores a alguns da Série A, como o Santa Cruz (mais de 42 mil pessoas por jogo), Alecrim (mais de 13 mil) e Itumbiara (mais de 10 mil).

Cada time desses tem sua torcida, que o ama acima de todos os outros times do Brasil. E veja que estamos falando apenas de clubes que disputam séries do Brasileiro. Muitos outros competem apenas em campeonatos estaduais, mas mesmo assim têm os seus torcedores fieis.

Números interessam aos marqueteiros

É óbvio que superdimensionar o tamanho das torcidas é bom para o marketing dos grandes clubes, que podem cobrar mais pelo patrocínio de camisa, entre outros. Porém, se alguns clubes tivessem tantos torcedores como dizem ter, dariam um retorno muito maior aos seus patrocinadores e venderiam muito mais produtos com sua grife.

No ano passado, mesmo valorizado pelo título brasileiro do ano anterior, o Flamengo vendeu apenas 66.552 camisas, enquanto o Santos, que segundo alguns deveria ter uma torcida infinitamente inferior, venceu 39.764, ou 60% do total alcançado pelo rubro-negro.

O Corinthians vendeu 62.299 camisas, apenas 25% a mais do que o Palmeiras. Se tivesse mesmo o absurdo de 30 milhões de torcedores, o alvinegro da capital teria de vender, no mínimo, 500 mil camisas por ano.

O ibope da tevê também não confirma esses números

Se o alvinegro do doutor Osmar tivesse mesmo tantos torcedores e se fossem realmente tão fieis como apregoam, por que Santos e Táchira levaria mais público ao Pacaembu do que Corinthians e Tolima? E por que o recorde de audiência do ano seria o jogo do Santos contra o Peñarol?

Nem nas maiores audiências do futebol na tevê há 30 milhões de pessoas vendo uma partida. Ou metade dos corintianos não está vendo seu time jogar, ou, o que é mais plausível, eles não existem. Assim, continuo afirmando que para bater com os números concretos do mercado brasileiro de futebol, é impossível aceitar que um time, qualquer que seja, tenha uma torcida de 30 milhões de pessoas. Nem o Corinthians, nem o Flamengo têm isso.

Poiis veja que se o Corinthians tivesse realmente 30 milhões, o Flamengo teria de ter, no mínimo, 35. E só aí já teríamos 65 milhões de brasileiros. Sobrariam apenas 25 milhões para todos os outros clubes? Ah, fala sério meu caro amigo Osmar de Oliveira. Pode parar…

A diferença dos dois protegidos da mídia para os demais é menor do que se imagina. O correto é aceitar que tenham entre sete e dez milhões cada um. Pois não podemos nos esquecer de que para completar esses 90 milhões de torcedores que são o público do futebol brasileiro, ainda temos os aficionados de Santos, São Paulo, Palmeiras, Vasco, Fluminense, Botafogo, Cruzeiro, Atlético/PR, Grêmio, Internacional, Bahia, Sport, Náutico, Avaí, Coritiba, Figueirense, Paraná, Criciúma, Santa Cruz, Portuguesa, Vitória/BA, Goiás, Vila Nova/GO, Ponte Preta, Guarani, ABC, Alecrim, Botafogo/SP, Comercial/SP, América/RJ, Nacional/MA, Atlético/GO, Remo, Paysandu, Tuna Luso, Sampaio Correa…

E você, acha que tem time brasileiro com 30 milhões de torcedores?