Confesso que não entendi a reação de muitos colegas de profissão. Se um craque como Neymar resolve permanecer no Brasil e com isso jogar luzes no opaco futebol brasileiro, todos que amam este esporte deveriam agradece-lo.

No entanto, ouvi imprecações e ranger de dentes, como se esta decisão do Santos e de Neymar contrariasse a ordem estabelecida no nosso mundinho futebolístico. Um jornalista, veterano até, reagiu: “Que eu saiba, somos um mercado fornecedor”. Ora, onde está escrito que o Brasil está condenado perpetuamente a se desfazer de seu ouro e suas pedras preciosas, como se ainda fosse colônia da Europa?

Abram a cabeça, senhores. Sejam mais generosos. Tentem ao menos, uma vez na vida, amar o futebol e seus craques. Ponham de lado os preconceitos, os juízos de valor, o autoritarismo, enfim, toda a dificuldade de aceitar quem é diferente, mas mesmo assim brilhante, genial, como os senhores provavelmente jamais conseguirão ser em suas atividades.

Se não conseguem, por razões de educação ou índole, respeitar o jovem que tem personalidade própria, respeitem o jogador talentoso, aquele que faz parecer simples movimentos biomecânicos que seriam destrutivos para seres humanos normais.

Respeitem um garoto de 19 anos que mesmo ainda tão novo e tão franzino, tem a coragem de enfrentar hordas de torcedores contrários insuflados pelos maus humores dos senhores, que os instigam contra o Menino que deveriam reverenciar. Coragem de partir para cima, sempre, de zagueiros que dão o dobro dele e fazem de tudo para apagar a luz de seu futebol.

Dirão: você escreve isso porque Neymar é do Santos. E se fosse o Lucas, do São Paulo? Pois eu escreveria a mesma coisa. Torço para que Lucas fique no Brasil, que Paulo Henrique Ganso também, que Philipe Coutinho volte, que, enfim, o torcedor brasileiro possa ver crescer, de novo, do lado de casa, a melhor geração de jogadores do planeta.

Enfim, estou falando apenas de amor ao futebol, este sentimento que parece ter ficado tão mais distante dos chamados cronistas esportivos depois que poetas da crônica, como o príncipe Armando Nogueira, se foram. O que era poesia e carinho pelo artista, parece ter se transformado, ao menos no coração de muitos, em puro e descarado rancor.

Fernanda, a garota carioca apaixonada pelo Santos

Ainda bem que, se não vemos esse amor pelo futebol em quem deveria professá-lo, vemos ainda, felizmente, na alma pura e sincera do torcedor. E é em sua homenagem que reproduzo aqui o e-mail que a carioquinha Fernanda Silva de Oliveira, de 15 anos, enviou ao jornalista Alex Escobar, do Sportv, declarando sua paixão pelo Santos e seu desejo de ver o time hoje à noite, em São Januário. Escreveu ela:

“Oi Alex Escobar. Meu nome é Fernanda Silva de Oliveira, tenho 15 anos e moro no Rio de Janeiro, em Nova Iguaçu, sou apaixonada por futebol e santista fanática!! Não é só por causa do Neymar como muitas meninas fazem por aí, o Santos é minha paixão, minha vida! EU AMO DEMAIS O SANTOS!! Mas vocês devem estar pensando, o que leva uma carioca a torcer pelo Santos? Vou contar como aconteceu.

Desde pequena eu nunca tive time porque não gosto de nenhum clube carioca. Já tentei torcer para os quatro grandes, mas não dava certo, não era uma coisa sincera. Até que ano passado estavam falando muito do Santos , então quis saber mais sobre o time, comecei a pesquisar, ver notícias e fui gostando cada vez mais do Santos. Assim passou um tempo até chegar a final do Paulista, naquele momento em que o Ganso se recusou a sair do jogo eu fiquei totalmente arrepiada, senti uma emoção, um sentimento que não sei explicar e pela primeira vez na minha vida eu estava torcendo de verdade para um time.

Mas esse não foi o momento em que me apaixonei pelo Santos. Na final da Copa do Brasil do mesmo ano quando vi o Edu Dracena levantando a taça senti uma vontade enorme de sair pela rua gritando ‘É CAMPEÃO’ e comecei a chorar. Nunca chorei antes por futebol na minha vida e nunca imaginei que seria capaz de fazer isso. A parti desse momento tive certeza de qual é o meu time!! Mas nem tudo são flores por aqui, as pessoas não acreditam no meu amor pelo Peixe, dizem que é momentâneo e logo vai passar, sofro muito preconceito pelo time ser paulista.

Não consigo acompanhar todos os jogos porque não são televisionados, eu só tenho quatro oportunidades de ver meu Glorioso, no Brasileirão contra os times cariocas, na partida contra o Botafogo eu fui e posso dizer que foi uma dos dias mais emocionantes da minha vida (mesmo que ele tenha perdido). Quando os vi entrando em campo meu coração acelerou, minha mão gelou, minhas pernas ficaram bambas e comecei a chorar, um sentimento que só o Santos conseguiu me proporcionar.

Enfim… Se vocês não ficaram enjoados de ler minha história e leram até o final, tenho um pedido a fazer queria pedir para vocês me levarem no jogo VascoXSantos dia 3 de agosto, me levar para conhecer os jogadores. Eu sei que não é difícil pra vocês atenderem meu pedido, eu sou pobre, muito mal tenho dinheiro para ir na arquibancada, imagina sair por aí procurando onde eles irão treinar e tal. Só vocês podem me ajudar!

No outro jogo meu pai me levou , mas nesse jogo ele vai estar trabalhando e não tem ninguém pra ir comigo. Não precisa me levar à Vila Belmiro, só conhece-los aqui no Rio mesmo será um presentão! Ou serve até ser gandula. Qualquer coisa pra ver meu time de pertinho! Enfim… é isso, acho que já disse tudo o que precisava. Me ajudem por favor!!!”

Não sei dizer se a Fernanda conseguirá realizar o seu sonho de ver o Santos hoje, só posso afirmar que sua cartinha eletrônica deixou muito marmanjo emocionado… Sou um deles, confesso.

E você, não acha que o Fico de Neymar deixou claro quem ama e quem não ama o futebol brasileiro? E o que achou do caso de Fernanda, a torcedora que o Santos tem no Rio?