Cruzeiro, Santos, Palmeiras, Bahia, Fluminense e Botafogo: suas conquistas da Taça Brasil e do Torneio Roberto Gomes Pedrosa foram garantidas com o reconhecimento dos títulos brasileiros de 1959 a 1970.

Os resultados que estamos vendo neste Campeonato Brasileiro – como a goleada sofrida pelo Flamengo para o Atlético Goaniense, ontem, no Engenhão, por 4 a 1 – confirmam a máxima de que no futebol ninguém morre na véspera. Não basta ser favorito no papel. É preciso comprovar em campo.

As surpresas, como também foram os empates de São Paulo e Palmeiras, fazem parte do universo do futebol e não devem ser recebidas com estupefação. É evidente que é preciso aprender a evitá-las. Porém, quando acontecem, só resta levantar a cabeça e partir para o próximo jogo.

Um grande time – e uma grande torcida – não podem se amofinar por um resultado negativo. Nem mesmo por uma série deles. Por mais que derrotas doam, são passageiras, não conseguirão diminuir a importância de um time na história. E isto não serve só para os santistas, que em um intervalo de um ano e meio comemoraram quatro títulos…

Veja o Bahia, que por alguns anos penou nas séries inferiores do futebol brasileiro, mas hoje está de volta, tão atrevido e grande como sempre. Veja ainda Palmeiras, Fluminense, Botafogo, que também passaram maus bocados recentemente, mas agora estão aí de novo entre os maiores do País, conquistando troféus importantes ou ao menos brigando por eles.

Nem é preciso lembrar o Cruzeiro, um dos melhores do país dos últimos anos, que costuma disputar, até as últimas rodadas, os títulos mais importantes do nosso futebol. Citei estes seis clubes de propósito, só para lembrar que há feitos históricos que se sobrepõem às instabilidades do momento.

Seis campeões de ontem. E de sempre

Lembro destes seis clubes porque eles foram os primeiros campeões do Brasil, aqueles que reinaram na era de ouro do nosso futebol – a Taça Brasil e o Torneio Roberto Gomes Pedrosa/ Taça de Prata, de 1959 a 1970. Como ontem, novamente estão entre os maiores hoje.

Isso apenas prova que as forças do futebol nacional não se alteraram dos anos 60 até hoje. Meio século se passou e todos os campeões do Brasil daquele período estão na seletíssima Série A do Campeonato Brasileiro hoje. Suas vitórias e derrotas ao longo do tempo não diminuíram sua grandeza. Apenas humanizaram e enriqueceram sua história.

Dossiê já está liberado para quem não fez cadastro

Esta noção da importância de cada clube não pode ser vista com lente de aumento, que supervaloriza os detalhes, mas não vislumbra o todo. É preciso ver de longe para que se possa avaliar com perfeição todo o caminho trilhado por uma agremiação. Esta é uma das propostas do Dossiê pela Unificação dos Títulos Brasileiros, que este blog está oferecendo para torcedores destes seis gigantes do futebol.

Se vivêssemos em um País que respeita a história – e as leis –, certamente José Carlos Peres e eu não precisaríamos nos embrenhar em mais essa empreitada, a de produzir o livro do Dossiê e tornar público um documento antes restrito às autoridades e técnicos da CBF que analisaram essa reivindicação.

Mas, infelizmente, moramos em um país onde leis pegam ou não pegam. E não se pode correr o risco de a Unificação dos Títulos Brasileiros, conquistada depois de tanto esforço, simplesmente voltar a ser ignorada pelos mesmos veículos de comunicação e jornalistas que tentaram apagar da memória coletiva a Taça Brasil e o Torneio Roberto Gomes Pedrosa.

Por isso, mesmo sabendo que passo a impressão de estar legislando em causa própria, peço que ao menos os torcedores de Santos, Palmeiras, Cruzeiro, Fluminense, Botafogo e Bahia, tenham o Dossiê em mãos e o divulguem, e o recomendem aos amigos, pois só com a difusão do conhecimento é que fabricaremos a vacina contra o esquecimento histórico.

A partir desta sexta-feira, 19 de agosto, não é mais preciso fazer cadastro neste blog para adquirir o livro do Dossiê, uma obra finamente encadernada, com 323 páginas, oferecida a um preço de custo, com a facilidade de poder ser paga com boleto ou cartão de crédito e débito, e recebida em sua casa. Conto com você!

Confira a página especial do Dossiê: http://blogdoodir.com.br/dossie-unificacao-dos-titulos-brasileiros-a-partir-de-1959/

Você acha que a Unificação dos títulos brasileiros corre o risco de “não pegar”?