Ontem foi mais um dia de vergonha para a imprensa brasileira. Novamente disseram que Neymar estava contratado por um clube europeu e novamente o garoto repetiu mil vezes que permanecerá no Santos.

No seu programa entre confrades, Galvão Bueno, o locutor principal da Globo, disse que quer ver “o bem” de Neymar e por isso o aconselhou a ir para a Europa. O mesmo locutor impediu o “amigo” Alberto Helena Junior de defender a permanência de Neymar no Brasil, e não reservou sequer um minuto para falar do grande clássico de domingo, em que Neymar teve grande exibição e o Santos venceu o Corinthians por 3 a 1. Muy amigo esse locutor!

Um dia antes, na Mesa redonda da TV Gazeta, Edmilson afirmou que é essencial para um jogador brasileiro ter uma experiência na Europa, para crescer como jogador e como homem. Citou a si mesmo como exemplo. Um detalhe: hoje Edmilson é reserva do Ceará.

No futebol, o Brasil teima em ser um país de vira-latas

Tirem as crianças de frente do computador para que não leiam a frase que vou escrever. Por todos os cantos desta grande nação costuma-se dizer que o brasileiro é tão incompetente que aqui “puta goza, cafetão se apaixona e traficante se vicia”. Pois agora eu acrescento: “E jornalista esportivo quer que os craques se mudem para a Europa”.

Usemos nossos pobres e fugidios neurônios para analisar a frase do locutor da Globo. Se ele quer o bem de Neymar e o aconselha a ir para a Europa, obviamente está diminuindo o Santos – representante da América do Sul no Mundial da Fifa – e o futebol brasileiro. Sim, mas onde esse locutor fez toda a sua carreira e fortuna? No Brasil e no futebol brasileiro! Ora, o contra-senso é descomunal.

Fico imaginando as colunas que Nelson Rodrigues escreveria se ainda nos desse o prazer de estar vivo. Ou Mário Filho, ou Armando Nogueira. Dos remanescentes de personalidade e bom texto, sobraram poucos, e estes ainda são calados por locutores autoritários que se julgam donos da verdade. Que fase da nossa crônica esportiva…

Alguns jornalistas promissores trabalham em tevês por assinatura que sobrevivem das transmissões internacionais e por isso vendem a alma para alardear a superioridade alienígena. Sobram muito poucos para defender o velho e bom futebol brasileiro, que ainda pode proporcionar lances de rara beleza e um campeonato cheio de alternativas.

Neymar já tem tudo o que quer no Brasil

Quanto vale ser o maior garoto-propaganda do Brasil? Difícil calcular, pois nosso país é hoje uma das economias mais poderosas do mundo. E o futebol, que terá aqui a sua Copa em 2014, atrairá nos próximos anos uma montanha de dinheiro das multinacionais do esporte. Enfim, a expectativa de ganhos de Neymar é incalculável.

Por outro lado, o garoto já é ídolo do Santos e da Seleção Brasileira aos 19 anos. Até torcedores de outros clubes o adoram (principalmente as crianças). Por que ele precisa começar tudo de novo no Europa? Por que enfrentar ambientes hostis, manifestações de racismo, maus humores de técnicos estrelares? Não há lógica alguma nessa insistência em vê-lo partir.

Entre os muitos argumentos que usam para convence-lo a ir embora, há o da segurança. Pois que não falem sobre isso com o ex-zagueiro Breno, que foi do São Paulo para o Bayern de Munique, e ontem perdeu a bela casa em um incêndio ainda não explicado.

Aqui há mais assaltos, claro, pois o problema social é maior, mas não há garotos que fazem chacinas nas escolas e nem bombas explodindo regularmente em trens e pubs. E, pode anotar aí, esses casos passarão a ser mais comuns na Europa agora que grave crise econômica apareceu por lá.

O que é melhor para um garoto do que estar ao lado de sua família, amigos, namorada(s), filho, em uma cidade que é a extensão de sua casa? Rodeado de fãs que o adoram, falam a sua língua e têm orgulho de que ele não seja mais um Maria-vai-com-as-outras, que vai embora sem dizer adeus?

A grande oportunidade é a de dizer “Não”

Além dos inúmeros contratos de patrocínio e publicidade, Neymar terá um aumento no fixo que recebe do Santos, que irá para meio milhão de reais. Com isso, ele ganhará no Brasil o mesmo que Real Madrid ou Barcelona poderão lhe pagar. Só que aqui ele tem a garantia de ser titular absoluto, o que não terá em nenhum grande clube europeu.

Muitos repetem o mantra de que ele não pode deixar passar “a oportunidade” de ir para um grande clube da Europa. Ora, acionemos novamente nossos preguiçosos neurônios brasileiros para analisar a frase. Se é uma “oportunidade”, quer dizer que não se repetirá mais. Isso só pode ser pensamento de jogador medíocre, que sabe que não conseguirá jogar bem durante muito tempo. E depois, coloca a Europa como a meta de qualquer jogador em atividade no país, rebaixando nosso País e nosso futebol.

Portanto, a novidade, a grandeza, não está em ir, já que isso é o caminho de rato de todos os outros. Mas sim em ficar, e consolidar-se como ídolo, e jogar uma Copa do Mundo representando o Santos.

Este deve ser o maior objetivo de Neymar, do Santos e da comunidade futebolística brasileira – ao menos dos que amam o nosso futebol. Quem disser o contrário, mesmo sendo amigo, jogador ou dirigente do Santos, não será bem recebido por este blog. Nenhum santista de verdade tem o direito de dizer que o melhor para Neymar é deixar o Alvinegro Praiano.

E você, ainda está com o blog, ou vai cair fora?