O técnico Muricy Ramalho está se sentindo nu. Isso mesmo. Sem os volantes que são a base de seu esquema tático preferido, Muricy está tão desconfortável a ponto de reclamar da diretoria devido à “escassez” de jogadores. E, sem opções, terá de escalar um Santos ofensivo hoje, às 18 horas, contra o Cruzeiro. Uma escolha que pode e deve ser vista por dois ângulos.

O primeiro é de que o técnico tem mesmo alguma razão quando reclama da limitação do elenco santista. Há ótimos jogadores, de um nível técnico superior à média dos jogadores brasileiros, mas também há algumas posições descobertas. A situação mais crítica é a da lateral-direita.

Pará é um eterno reserva que vira titular por falta de opções. Hoje, com Danilo suspenso e Pará machucado, o garoto Crystian será o titular. No meio, com Adriano suspenso e Ibson, Elano, Arouca e Ganso machucados, os novatos Anderson Carvalho e Felipe Anderson deverão compor o setor ao lado de Henrique, que sente dores no joelho.

Ou seja, na cabeça de Muricy é muita improvisação para um time que tinha tudo para lutar pelo título Brasileiro, justo o tipo de competição longa que é a sua preferida. Não se pode tirar sua razão. Mas há um outro lado a ser analisado.

O Santos é um clube de revelar jogadores. É um dom que não pode ser desprezado e que, mais do que todos, tem justificado a grandeza do time. Esta filosofia tem os seus dissabores, mas, com método e persistência, torna-se bem mais produtiva – além de ser a mais inteligente para um clube brasileiro, que ainda não tem como competir com os altos investimentos dos europeus.

Portanto, as presenças de Crystian, Anderson Carvalho e Felipe Anderson hoje, contra o respeitável Cruzeiro, se em outros clubes seria sinal de alerta vermelho, no Santos significa esperança. Por que os garotos não podem mostrar que merecem continuar no time? Por que não podem brilhar como tantos outros antes deles? Por que não se pode vencer com eles em campo?

É mais fácil um criativo marcar do que um marcador criar

Minha convicção sobre Crystian e Felipe Anderson é de que têm muita habilidade. Sabem driblar, podem fazer uma tabela, têm mentalidade ofensiva. Precisam proteger melhor a bola e lutar mais por ela quando não está em seu poder, mas aprender a marcar é menos difícil do que criar. Basta ter disposição e inteligência e um jogador pode ser muito útil na defesa.

Quanto a Anderson Carvalho, confesso que não tenho uma imagem clara do seu potencial, mas duvido que seja muito abaixo de todos os volantes que se vê no Brasil. Se conseguir marcar bem sem cometer muitas faltas, se evitar tabelas às suas costas e caprichar nos passes, não jogará mais nem menos do que outros volantes que já passaram pela Vila Belmiro.

E o meio-campo santista ainda contará com a ajuda de Neymar, Borges e Alan Kardec, que terão de marcar a saída de bola do Cruzeiro. A armação ficará por conta de Felipe Anderson e Neymar. Sim, queremos ver o Menino de Ouro lá na frente, mas ele enxerga tão mais o jogo do que os outros e tem tão mais habilidade, que, naturalmente, voltará para iniciar a armação das jogadas ofensivas ao lado de Felipe Anderson e Léo, que deverá avançar mais hoje.

Claro que os desfalques são muito importantes – entre eles há os selecionáveis Ganso, Elano, Arouca e Danilo –, mas, não fossem por estas ausências e Crystian, Felipe Anderson e Anderson Carvalho não teriam a oportunidade de começar como titulares contra o Cruzeiro. E, acredito, a expectativa pela atuação dos garotos é bem maior do que a frustração pela ausência dos titulares.

Por que o jogo foi transferido para a Vila Belmiro?

Não entendi porque a diretoria transferiu este jogo de hoje, marcado inicialmente para o Pacaembu, para a Vila Belmiro. Na Vila eles garantem a vitória? Duvido. Neste Brasileiro o Santos perdeu para Flamengo e Coritiba no Urbano Caldeira e não perdeu nenhum jogo, com seu mando de campo, no Pacaembu. Além disso, em São Paulo o público é sempre maior. Se hoje der mais do que oito mil pessoas, será lucro.

O pior é que essa mudança também foi feita no jogo com o Figueirense, o que tem menos sentido ainda. Quantas pessoas irão à Vila Belmiro ver Santos e Figueirense? É difícil analisar sem saber os reais motivos que provocaram essa mudança. Uma coisa é certa: isso não é pensar grande.

Reveja a grande vitória sobre o Cruzeiro no Campeonato Brasileiro do ano passado. Relembre o gol espetacular de Alex Sandro e o show de Neymar, que no quarto gol tirou a zaga do time mineiro para dançar. Um detalhe: o Santos jogou com um a menos a maior parte do jogo, pois Zé Eduardo foi expulso:

E você, o que acha de Santos e Cruzeiro, logo mais, na Vila Belmiro?